[AUDIOVISUAL] 5 filmes potiguares foram selecionados pro Curta Taquary

A 14ª edição do Curta Taquary – Festival de Audiovisual, que geralmente acontece em Taquaritinga do Norte, agreste de Pernambuco, será realizada em formato on-line, por conta da pandemia de Covid-19, entre os dias 16 (Dia Nacional da Conscientização das Mudanças Climáticas) e 22 de março (Dia da Água).

Entre 521 inscrições, foram selecionados 72 filmes, sendo 65 produções do Brasil e sete de outros países. Pernambuco teve o maior número de trabalhos selecionados, com 10 em cinco mostras, seguido de São Paulo com nove, em seis mostras.

Neste ano, o cinema potiguar ganha destaque com cinco títulos. Na Mostra Competitiva Primeiros Passos, dedicada a cineastas em seu primeiro trabalho, a seleção traz duas obras do Rio Grande do Norte.

A primeira delas é o curta experimental Transetropical, de João Ricardo Paulino, produzido pela Casa da Praia Filmes e rodado em Super-8. Na trama, o verão chega ao fim nos trópicos e o crepúsculo começa na Cidade do Sol. A virada da década é um transe de nostalgia, luz e escuridão.

Outro destaque da mesma mostra é a ficção Vai Melhorar, de Pedro Fiuza. Protagonizado por Cássia Damasceno, que levou o prêmio de melhor atriz no Novo Cine PE, o curta se passa nos bastidores de uma campanha política para prefeito, na qual a apresentadora Luísa sofre com a difícil convivência entre os colegas de trabalho. É a última semana antes do primeiro turno e Luísa, longe de sua cidade e sua família, descobre um escândalo que pode comprometer toda a eleição. Agora ela precisa decidir não só o seu destino, mas o de uma cidade inteira.

Eleito o melhor curta potiguar de 2020 pela ACCiRN, Associação de Críticos de Cinema do Rio Grande do Norte, o filme também foi premiado no Curta Kinoforum e no Comunicurtas UEPB, além de ter sido exibido em diversos eventos, como Fest Aruanda e Aesthetica Short Film Festival, na Inglaterra.

Já na mostra Diversidade, que conta com filmes que abordam questões de sexualidade e de gênero, em suas mais diferentes formas e perspectivas, o cinema potiguar segue representado com De Vez em Quando eu Ardo, de Carlos Segundo. Na ficção, Louise é uma fotógrafa que busca a simbiose dos corpos. Seu encontro com Tereza, uma jovem que se oferece para participar da sessão de fotos, cria um abalo, muito maior do que elas podem imaginar. Com Rubia Bernasci e Carla Luz no elenco, o curta já foi exibido em festivais da França, Irlanda e Bélgica. No Brasil, participou do For Rainbow, no qual recebeu o Prêmio da Crítica de melhor filme.

Na Mostra Competitiva Brasil, que apresenta temática livre, Urubá, de Rodrigo Sena, é o representante do Rio Grande do Norte. No documentário, o mundo espiritual ao seu redor passa muito mais pelo terceiro olho do que pelos olhos físicos. O invisível aos olhos de Luiz não é invisível à sua sensibilidade espiritual.

Enquanto isso, na mostra Sessão Especial, fora de competição, o cinema potiguar marca presença com o documentário Casa com Parede, de Dênia Cruz. O filme destaca um assentamento urbano em remoção, após um incêndio que destruiu mais de 50% dos barracos. Mulheres, homens e crianças em mudança para a tão sonhada moradia. Essa história é revelada de forma lúdica por uma criança de oito anos que viveu com sua mãe em uma comunidade entre tábuas e lonas, mas que sonhava morar em uma casa com parede. Recentemente, o curta foi exibido na Mostra de Cinema de Tiradentes, no Seridó Cine, Festival de Caruaru e Curta Caicó, no qual foi premiado.

Preocupação com a pandemia e o meio ambiente

Festival é sediado em Taquaritinga do Norte, no agreste pernambucano

Preocupados com o excesso de informação disponível na internet neste período da pandemia, a organização do Curta Taquary definiu que o tema deste ano será: Por Um Mundo Melhor. Por isso, ao fazer a seleção, o foco foi optar “por mandar mensagem de esperança, de acalanto diante de um período tão complicado”, disse o coordenador do evento, Alexandre Soares.

Para cada filme inscrito, uma muda de espécie nativa será plantada em Taquaritinga do Norte como forma de mobilizar a campanha de reflorestamento e recuperação de solo de áreas desmatadas e devastadas por queimadas; entre elas a de dezembro de 2016, onde 50 hectares de mata da cidade foram destruídas.

Os filmes do Festival de Curtas de Taquaritinga do Norte estarão disponíveis no site do evento. Nesse período, também serão realizadas conversas e debates no canal do YouTube do festival. Haverá, ainda, uma live no dia 22 de março para divulgar os vencedores das mostras competitivas. Além do Júri Oficial, o público também poderá escolher os vencedores pelo Júri Popular.

Apesar de ter uma programação mais intensa agora em março, o Curta Taquary 2021 começou em janeiro com as atividades de formação do DocLab – Laboratório de Realização de Documentários. Duas turmas, conduzidas pelos cineastas Antonio Fargoni, Kennel Rógis e Marlom Meirelles, foram realizadas de forma híbrida.

As aulas e encontros foram virtuais e a produção de quatro documentários – a primeira turma produziu dois e a segunda vai produzir mais dois nos próximos dias – foi presencial com uma equipe reduzida, com apenas dois representantes de cada turma. As produções também estarão disponíveis no site do evento.

Comentários

Seja o primeiro a comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

ao topo