Ave-Maria

Para Sylvia e colegas, uma das mais belas ave-maria. A mais bela da Canção Brasileira

Erothides Campos
(Valsa-Serenata)

Cai a tarde tristonha e serena,
em macio e suave langor
Despertando no meu coração
a saudade do primeiro amor!

Um gemido se esvai lá no espaço,
nesta hora de lenta agonia
Quando o sino saudoso murmura
badaladas da “Ave-Maria”!

Sino que tange com mágoa dorida,
recordando sonhos da aurora da vida
Dai-me ao coração paz e harmonia,
na prece da “Ave Maria”!

Cai a tarde tristonha . . .. (repetir a 1a. Estrofe)

No alto do campanário uma cruz simboliza o passado
De um amor que já morreu, deixando um coração amargurado
Lá no infinito azulado uma estrela formosa irradia
A mensagem do meu passado quando o sino tange “Ave Maria”.

Físico, poeta e professor [ Ver todos os artigos ]

Comentários

Há 3 comentários para esta postagem
  1. João da Mata 23 de agosto de 2010 19:41

    Amigo Jairo, nao se trata de comparar

    Nao foi esse o proposito

    o mote foi a Ave- Maria. Uma hora que eu adoro
    A do angelus

    Foi essa hora que lembrei e voce tambem

  2. Jairo Lima 23 de agosto de 2010 9:18

    Valeu, João, tem o lance da saudade, do cair da tarde em Arcoverde, da difusora do Cine Bandeirante, do gosto popular, mas, poema por poema, taco a taco, reza por reza, ave-maria por ave-maria, sou mais os versos, a um tempo nublados e solares, solenes e solertes da Sylvia Beirute. Linhás, com a devida autorização do cumpade Tácito, vou publicar o seu poema lá no meu Papo Furado.

    • Tácito Costa 23 de agosto de 2010 9:27

      E precisa lá de autorização, cabra da peste! Mande brasa.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

ao topo