Bar das Sombrinhas

Avenida Getúlio Vargas, onde nasceu Cidade Nova – Petrópolis e Tirol.

Por Eduardo Alexandre

Dizia-se que a mais mutilada de nossas artérias era a rua da Conceição, antiga rua do Caminho de Beber Água, a segunda rua de Natal, que descia até o riacho do Tissuru, Bardo ou Baldo, numa artéria única, até que a igreja católica a invadiu para ampliar a Matriz de Nossa Senhora da Apresentação, dividindo-a em duas: Conceição e Santo Antônio.

Pois bem: nem a rua da Conceição foi tão mutilada quanto a avenida Getulio Vargas. Desta, nada sobrou diante dos dobrões do capital imobiliário, nem saudade deixou.

Levaram nossa história, sobraram os sobradões dos mais ricos e poderosos habitantes da Natalópolis que a memória abomina.

Esta foto é só parte da antiga Av.Atlântica que poucos conheceram e se lembram. Ela retrata uma novidade pra muitos (surpresa?), este Bar das Sombrinhas.

Nunca ouvi falar nesse Bar das Sombrinhas.

Pela foto, ficava à direita de quem sobe a Ladeira do Sol, ribanceira abaixo da balaustrada da Getúlio Vargas, antiga Avenida Atlântica.

Não parece ser o Mirante Praia Clube, inaugurado em 1975 pela Caern.

Sobre este, nos conta Itamar de Sousa:

“Durante o Governo Cortez Pereira, os dirigentes da CAERN organizaram o Mirante Praia Clube e construíram a sua sede à margem da pista da avenida Getúlio Vargas, na qual investiram cerca de 721 mil cruzeiros. O mencionado sodalício foi inaugurado festivamente no dia 14 de março de 1975 (Diário de Natal, 13 de março de 1975). Entretanto, em virtude de prejudicar a paisagem desta avenida e de obstaculizar o seu alargamento, o Mirante foi demolido entre o final do governo Tarcísio Maia e o início do governo Lavoisier Maia.”

Nos conta Petit das Virgens, que o restaurante do “Mirante” ficou sob responsabilidade de Alcione Dowsley, empresário que criou o primeiro motel de Natal e que ficou famoso pelo uso criativo dos primeiro outdoors de nossas avenidas: Tahiti, o paraíso é aqui!. Entre muitos outros apelos que se popularizaram e caíram no gosto popular.

Mas a estória aqui é outra: alguém tem notícias sobre a história desse Bar das Sombrinhas que nos possa contar?

Comentários

Seja o primeiro a comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

4 × 2 =

ao topo