BECO DA LAMA: Hárryson se diz culpado pela eleição do novo mandachuva da Samba

Se o filósofo das trivialidades da vida, Pedro Bial, taxa o Big Brother de retrato da vida real, que dizer do Beco da Lama e seus personagens? Ali, a tempestade preenche um copo d’água até em jogo de porrinha. E se o assunto é a eleição de uma sociedade por vezes anônima, por vezes de amigos e mais das vezes de políticos, a coisa toma dimensões mais homéricas do que os porres travados diariamente no Bar de Pedrinho. Pois a notícia era de uma disputa em cima da hora entre os candidatos Tarcio Fontenele e Hárryson Magalhães pela famigerada Samba. Entra idas e vindas intermináveis para um período curto – ou imenso, dentro das dimensões do Beco – de um dia, prazo final para eleição das candidaturas, o resultado foi o da chapa única, o da eleição direta de Tarcio. E um fuzuê no Bardallos na noite de ontem. Hoje pela manhã, aposto, o Beco está qual a foto acima, de Rodrigo Sena – de uma vida besta de dar dó. E todos os bastidores do acontecido de ontem e de logo mais seguem na versão de Hárryson, um perdedor que, na minha opinião, sai vencedor:

1) Como se deu seu ingresso à chapa de Tárcio e o que lhe convenceu a participar?
Olha, logo no inicio da gestão de Dorian (Lima) eu notei uma empolgação de diversas pessoas do Beco pelo nosso grupo, que depois até esfriou. Já fazíamos nossos eventos no Beco. Dai foi natural uma comparação do tipo “A Samba não faz isso ou aquilo” e nós continuamos em frente com nossas ações. Foi quando o cidadão em questão chegou ao nosso pequeno grupo sempre amigo e atencioso. Dai eu fui o primeiro a dizer que ele nos representaria. Ele colou isso embaixo do braço e começou a campanha.

2) Então você é um pouco culpado pelo resultado.
Isso. Sou sim.

3) Em que momento você decidiu formar uma candidatura própria?
Sempre que tratávamos sobre a Samba ele dizia que quem resolvia éramos nós e que ele só iria compor a chapa, e assim foi acontecendo. Nas assembleias ele sempre cordial, dizia: “Vamos sentar e você resolve”. Dai chagou o prazo e ele não sentava nem resolvia, só trazia nome e dizia: “Vou fazer assim, esse é assume isso, fulano já é certo ali”. Eu nem me preocupei, confiei até há dois sábados, quando em um bar no Beco ele enfatizou que na chapa dele nem eu nem meu pequeno grupo teríamos espaço nem serventia. Eu ainda o procurei, pedi espaço e resolvi lançar meu nome. Na tarde de ontem (terça, 16) ele me convida para uma reunião e me diz que não precisa de eleição, que a chapa era nossa e me enviou o formulário para colocarmos os nomes e compor. Hoje, já perto do meio dia ele me envia uma mensagem e diz que o vice dele (Pedro Abech) não concordou e não somos mais necessários na chapa. O vice não concordou! kkkk. Dai tentei ainda uma articulação e resolvemos que não entraríamos nessa roubada.

4) Houve uma barganha para ocupar mais espaço dentro da chapa de Tarcio pouco antes do prazo final de inscrições? Sem esse espaço, porque não lançou sua candidatura?
Barganha, não. Foi pedido nomes que estariam dentro do que sempre foi acordado e ele esnobou. Não lancei minha candidatura por um motivo bem específico: Sentado à mesa de um bar do nobre Beco, alguns começaram a falar da vida pessoal querendo usar isso como plataforma de campanha. Nesse momento resolvi tomar um copo de cerveja e acalmar os ânimos. Sei que vamos continuar bebendo nos mesmos bares, nosso filhos são amigos.

5) O que você pretendia, fundamentalmente, para o Beco da Lama?
Cara, eu tenho um projeto da WebBeco e já com parcerias. Uma rádio exclusiva para o Beco. Tenho até o projeto do Beco em 3D. A retomada da Praça da Alegria na praça Padre João Maria, dentre várias outras ações.

6) O que você espera dessa gestão?
Não sei o que esperar, mas desejo sorte e desde já afirmo que sou aposição à sua gestão!

Jornalista por opção, Pai apaixonado. Adora macarrão com paçoca. Faz um molho de tomate supimpa. No boteco, na praia ou numa casinha de sapê, um Belchior, um McCartney e um reggaezin vão bem. Capricorniano com ascendência no cuscuz. Mergulha de cabeça, mas só depois de conhecer a fundura do lago. [ Ver todos os artigos ]

Comentários

Seja o primeiro a comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

2 × um =

ao topo