Bem intencionado porém preconceituoso

Amigos e amigas:

Li o texto de Plinio Marcos aqui reproduzido. Considero Plinio um bom dramaturgo, malgrado alguns toques tardo-naturalistas em suas primeiras peças. Penso que o Naturalismo, na época em que Plinio escreveu, já tinha virado recurso publicitário banal (exibição de pelos pubianos e por aí) mas ele sabia escrever diálogos e construir personagens.

Na crônica aqui reproduzida, espanta a carga violenta de preconceitos e ressentimento que Plinio traz. Dá a impressão de que o Mal vem da universidade e da classe média conhecedora de Europa (ou de outros continentes). Visitar o Louvre (o Prado, o British, o Smithsonian, a Tate, o Antiguidades do Cairo, o Holocausto de Tel Aviv, o Ouro de Lima e museus de igual porte), canso de repetir, deveria ser incluído entre os direitos humanos básicos e fundamentais. Gostaria muito que todos os entregadores de pizzas e todas as empregadas domésticas do Brasil – e de outros países – pudessem fazer isso uma ou muitas vezes na vida. Eles já são pessoas dignas sem essa experiência. A dignidade em nada seria prejudicada com a visão de Velásquez ou Leonardo, ela só aumentaria.

Além do preconceito odioso contra universidade e classe média (não sei a que classe Plinio pensava que pertencia! lumpesinato não publica livros nem escreve na grande imprensa…), há uma ingenuidade assombrosa: quer dizer que, antes do rapaz bem intencionado, a escola de samba era puro povo, sem nenhum traficante no pedaço? Traficantes são empresários internacionais.
Bons escritores têm momentos péssimos. É o caso. Os momentos ótimos não se perdem. Mas não podemos confundir uns com outros.

Abraços:

Nasci em Natal (1950). Vivo em São Paulo desde 1970. Estudei História e Artes Visuais. Escrevo sobre História (Imprensa, Artes Visuais, Cinema Literatura, Ensino). Traduzo poemas e letras de canções (do inglês e do francês). Publiquei lvros pelas editoras Brasiliense, Marco Zero, Papirus, Paz e Terra, Perspectiva, EDUFRN e EDUFRJ. Canto música popular. Nado e malho [ Ver todos os artigos ]

Comentários

Há 7 comentários para esta postagem

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

2 × cinco =

ao topo