Berê, berê, bará, bará

Política rima com Voltaire, Maquiavel, corrupção e lavagem de dinheiro. Mas conjuga verbo com a economia em um sentido: a especulação e a opinião errada dos ditos especialistas.

Pois eis que ouvi ontem de uma fonte honesta que um amigo íntimo do vice-governador Iberê Ferreira de Souza (aquele do novo sucesso do Cavaleiros do Forró (“berê berê, bará, bará…”) lhe confidenciara que de acordo com os dados de uma pesquisa encomendada pelo próprio político a um instituto de altíssima credibilidade, ele poderá desistir da candidatura ao governo caso os números permaneçam como estão.

De cá, duvido muito que os números permaneçam estagnados ou reduzidos, ou mesmo que Iberê desista da candidatura. Embora distante da eleição, o pré-candidato já construiu muito para se lançar ao governo.

Por outro lado, há que se pensar nos quatro anos longe da política após a possível derrota. É uma hipótese.

Jornalista por opção, Pai apaixonado. Adora macarrão com paçoca. Faz um molho de tomate supimpa. No boteco, na praia ou numa casinha de sapê, um Belchior, um McCartney e um reggaezin vão bem. Capricorniano com ascendência no cuscuz. Mergulha de cabeça, mas só depois de conhecer a fundura do lago. [ Ver todos os artigos ]

Comentários

Seja o primeiro a comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

4 × 5 =

ao topo