Borges e Borges

É sempre bom cada vez mais Borges, né, Fernando?, pra fugir desses paulos coelhos. Peço um pouco de versatilidade aos amigos leitores para encararem essa fantástica e um tanto longa entrevista do escritor argentino, feita em 1966 e publicada na Paris Review. O texto é em inglês, língua que Borges adorava.

aqui

Jornalista, com passagem por várias redações de Natal. Atualmente trabalha na UFPB, como editor de publicações. Também é pesquisador de HQs e participa da editora Marca de Fantasia, especializada em livros sobre o tema. Publicou os livros “Moacy Cirne: Paixão e Sedução nos Quadrinhos” (Sebo Vermelho) e “Moacy Cirne: O gênio criativo dos quadrinhos” (Marsupial – reedição revista e ampliada), além de várias antologias de artigos científicos e contos literários. É pai de Helena e Ulisses. [ Ver todos os artigos ]

Comentários

Seja o primeiro a comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

quinze + dezoito =

ao topo