A Braganha (Conto)

Por José de Castro*

– Pois lhe digo, compadre, mulezinha vale muito mais do que você pensa.

– Penso assim, não. Vaquinha tem mais valor.

– Duas malhadas não pagam mulezinha.

– E o leite, compadre?

Futuca o nariz e, de piparote, arremessa longe a bolinha.

– Pensa que mulezinha não dá leite?

– De litro, não.

Levanta do tamborete e vai até o embornal pegar o fumo. Naco grande, cortado a canivete de folha.

– Não conhece mulezinha. Mais de litro quando menino não suga os peito. Carece tirar com bombinha. Não encaroçar.

– Convence, não. Vaquinha dá carne.

Espicaça o fumo na palma da mão. Cerimônia lenta e cuidadosa.

– Depois de morta. Vaquinha só dá carne quando vira gado defunto. Mulezinha, não.

A lâmina gasta do canivete alisa a palha. Despeja o fumo.

– Vaquinha dá bezerro.

– Mulezinha dá fio hominho.

Enrola a palha. Na beirada, passa a língua saburrosa. Sela o pito.

– A malhada e um saco de feijão. Quiser…

– Mais valor. Tem negócio, não.

Vai até o fogão de barro branco. Assopra o tição, avivando a brasa na ponta. Fumaça pelo nariz e pela boca. Cospe um fiapo de fumo.

– A malhada, um saco de feijão e…

– E?

– … e o tordilho.

– Pouco. Mulezinha vale mais.

A barba rala espalhada no queixo pontudo. Bigode, nenhum.

– De ouro essa mulezinha.

– Mulezinha é prendada. Faz lavoura, capina, campeia, cozinha, lava, e passa a brasa. E tem dois dentes de ouro. Bem aqui, ó.

Aponta os dois caninos vampirescos, amarelos por conta do fumo.

– Ver a mulezinha.

– Depois de preço acertado.

– Dou mais a carabina. Dois canos, azeitada.

– Acrescenta muito, não.

– Com trinta cartuchos.

Cospe no chão e esfrega com o pé descalço a pequena mancha úmida e raiada.

– Mulezinha é caça grossa. Qualquer tareco vou aceitando, não.

– Dou minha sanfona também.

– Toco música, não.

– Difícil negociar. Vender ou não vender mulezinha?

– Depende melhorar a oferenda.

Reacende o pito no tição. A brasa queima um lado mais que o outro. Baforada comprida, a palha entre o polegar e o indicador.

– Findar amolação: dou a papo amarelo. Garrucha de estimação. Foi do avô.

– É muita arma de fogo. Melhorando. Mulezinha é fogo!

– Oferto mais não.

– Achando não haver negócio.

– Tá brincando.

Bate a cinza do pito na lata de querosene vazia. Descansa um dos pés no joelho e coça o comichão que lateja no vão dos dedos.

– É como lhe digo, compadre. Cafuné de mulezinha é que nem cosquinha de bicho-de-pé. Se quiser mulezinha, bote coisa de mais apreço.

– Só se for comadre. E comadre, dou não.

– Bem que topava uma comparação. Quantos anos têm comadre?

Solta a fumaça preguiçosa a desenhar arabescos pelo ar. Chupa o cigarro de palha lentamente. A pressa é inimiga da negociação.

 

*José de Castro, jornalista, escritor, poeta. Autor de livros infantis. Membro da SPVA/RN e da UBE/RN. Contato: josedecastro9@gmail.com

Jornalista, escritor e poeta. [ Ver todos os artigos ]

Comentários

There is 1 comment for this article

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

sete − 6 =

ao topo