Brennand comenta entrevista de Monteiro

Do artista plástico Francisco Brennand (foto), sobre entrevista concedida por Fernando Monteiro a Laurence Bittencourt, publicada no SP (aqui):

Prezado Fernando Monteiro,

Rompendo o silêncio ─ fruto, em parte, de uma inesperada enfermidade ─, pretendo lhe parabenizar pela entrevista do começo deste ano de 2010, a Laurence Bittencourt, recentemente publicada no Substantivo Plural.

Sem nenhum temor e piedade como o fez o grande Thomas Bernhard contra a Áustria e o povo austríaco, em parte justifica uma das frases do poeta René Char remetida por você: “Aquele que vem ao mundo para nada perturbar não merece nem contemplações nem paciência”.

Quanto mais você se isola nas suas investidas contra o farisaísmo nacional, mais você é digno de ter escrito “Vi uma foto de Anna Akhmátova”. E razão tem a moça Edjane Linhares em dizer que “este poema é um encontro antológico de dois poetas”. E, para terminar, a descoberta de que “o poeta é um dos poucos seres humanos que dá significado a própria existência”.

Repito que a sua entrevista foi um ato de desabusada coragem.

Abraço,

Francisco Brennand

ao topo