Canção do Jornaleiro

aos meus queridos amigos jornalistas

Sou de um tempo onde os jornais eram vendidos nas ruas. Havia os jornais matutinos e vespertinos. A expressão “deu no jornal” era sinal de uma verdade referenciada por um veiculo de comunicação impresso. Na década de 30 do século passado o grande compositor e pintor Heitor dos Prazeres compôs uma canção símbolo dos vendedores de jornais nas ruas.

Essa canção composta em 1933 foi dedicada ao famoso jornal “A Noite”, do Rio de Janeiro. Canção que fez muito sucesso nas rádios e teatros. Interpretada por vários cantores da nossa música a canção defendia a criação de um órgão de assistência aos meninos vendedores de jornais.  Virou um hino – pregão desses pequenos trabalhadores que circulavam nas ruas e semáforos das cidades. Em 1940 era criada a Casa do Pequeno Jornaleiro. Acabaram-se os pregões das ruas da minha infância. Os jornais impressos estão dando seus últimos suspiros. Mas ficou a música e a saudade de um tempo quando dizíamos “deu Jornal”. Olha a noite que se esvai fechando um ciclo e um tempo que vivo sempre a sofrer. Saudades.

Canção do Jornaleiro / Heitor dos Prazeres

Olha a noite,
Olha a noite,
Eu sou um pobre jornaleiro,
Que não tenho paradeiro,
Ai, ninguém tem vida assim,
Digo adeus a toda gente,
As vezes fico contente,
Ninguém tem pena de mim.

Eu vivo sempre a sofrer,
Óh, que destino é o meu,
Eu que fui sempre jogado,
Vou vivendo amargurado,
Óh que sorte Deus me deu.

Olha a noite,
Olha a noite.
Eu vivo sempre a sofrer,
Óh, que destino é o meu,
Eu, que fui sempre enxotado,
Vou vivendo amargurado,
Óh, que sorte Deus me deu.

Olha a noite,
Olha a noite.
Quando o sol vai se escondendo,
Eu vou me entristecendo,
Porque tenho coração,
Vivo sempre amargurado,
Como as folhas a meu lado,
Cumpri com a minha missão.

Eu vivo sempre a sofrer,
Óh, que destino é o meu,
Eu, que fui tão maltratado,
Vou vivendo amargurado,
Óh, que sorte Deus me deu.

Olha a noite,
Olha a noite,
Olha a noite,
Olha a noite.

Físico, poeta e professor [ Ver todos os artigos ]

Comments

There are 3 comments for this article
  1. Sidora Paiva 26 de Outubro de 2012 19:03

    Da Mata sempre brilhante e pertinente, talvez nosso mais intelectual, antenado com seu tempo e com o espírito da nossa época. Grande pesquisador com trabalhos de ponta. Parabéns.

  2. P. B. Gomes 27 de Outubro de 2012 9:23

    Sidora Paiva chega mostrando que absorveu o espírito do Blog.

  3. Johnny Cavia 27 de Outubro de 2012 14:22

    E hoje se foi Bezerrinha, da Tio Patinhas, banca de revistas e jornais das mais emblemáticas de Natal. Nas tardes de domingo dos anos setenta era comum a grande aglomeração esperando chegar os jornais do sudeste.
    Fui cliente dele até recentemente, passava lá apenas para cumprimenta-lo e comprar qualquer coisa, mesmo desnecessária.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Go to TOP