Cantares Fesceninos

Ode ao Cu

                                                                                        A Celso da Silveira e Zé Limeira

Oh! Doce Cu que me encanta
Na vida tu vens atrás
Mais fede a boca de Felix
Que os peidos que dás

Quevedo já te cantou
As graças e as desgraças
Teu olho pode ser cego
Mas cego quem não usou

Poucos são os sábios
Das glórias não vale o cu
Apesar dos alfarrábios
A vida sabe a chuchu

Duas coisas me fascinam
E são da minha paixão
Um bom cu o ano inteiro
E os livros por diversão

Da boca sai palavrão
A bunda é nacional
E o que a boca goza
O cu sofre com razão

O ânus foi quem pariu
Da vida um pobre coitado
“a dar por um ano inteiro
o cu de graça ao diabo”

E vou partindo em segredo
Pedindo desculpas às musas
Se te cantei cu-amado
Porque quem tem cu tem medo

Me despeço dando um peido
Paras os que em cu
Não tem peito
E segue o cu-balançando

Físico, poeta e professor [ Ver todos os artigos ]

Comentários

Seja o primeiro a comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

ao topo