Carito e Mario

Carito e Mario Ivo são irmãos. Carito e Mario Ivo têm blogs. Carito e Mario Ivo escrevem. Carito e Mario Ivo escrevem bem pra cacete.

Cada qual com suas características, a carga genética parece ter lhes trazido imantados para suas competentes atuações no mundo da palavra.

Carito, com uma escrita brincante, lúdica, construindo e desconstruindo palavras como uma criança que se diverte com lego. Criatividade à toda prova e a eletricidade à volta. Para ler Carito, você tem que calçar botas de borracha.

Carito não tem pudor em experimentar. É um poeta do Século XXI e mais para a frente. Suas influências são múltiplas e sem preconceitos. Sua poesia possui musicalidade. Sua música contém poesia.

Ademais, Carito é generoso e simpático. Carito é pós-moderno e pós-tudo. Carito é o cara. E você o encontra, clicando em: http://www.carito.art.br/ .

Mario Ivo é compenetrado, retraído, exótico, sofisticado, individualista, um misto de Europa (Florença), França e Bahia. E, também, tem um texto elegante do cara…íba. Mario é um bom escritor em qualquer parte do mundo (ao redor do qual já deve ter dado umas três voltas, por baixo).

Vez por outra, Mario transita pela cidade em algum lançamento, ou não, flanando filosoficamente. Um dândi às avessas, veces , veces no. Seu alter ego é, possivelmente e mutatis mutandi, o nosso caríssimo poeta Volonté.

As crônicas de Mario Ivo são algo sempre inusitado. Você não sabe no que vai dar. Mas, sempre revelam boas surpresas. O texto é agilíssimo, com doses de humor na medida exata, sofisticação e inteligência certeiras. Exibe o dolce far niente de alguém somente comprometido com sua própria estética e seu peculiar pensamento.

Por sinal, você já conhece o Mario? É aquele que… Ora,  deixa pra lá. Se não conhece, vá conhecer. Dá uma clicada em: http://www.marioivo.com.br/ .

Carito e Mario Ivo são irmãos? Se são, acho que não são gêmeos, muito menos siameses. Mas, são essenciais para quebrar a mesmice e superar a mediocridade.

Mario já me acusou de ter dado “piti” em alguns de meus escritos do SPlural.

Nada, não. Nonada. Já superei. Ando até de bom humor. Não foi algo que um bom Prozac e um tempo sem escrever não resolvessem.

Carito, com seu jeito leve e amistoso, ainda não me acusou de nada (que eu saiba).

Isso, sim, puxa vida, é muito mais difícil de superar e de perdoar…

Pô, Carito!

Advogado público e escritor/poeta. Membro da Academia Norte-Rio-Grandense de Letras. [ Ver todos os artigos ]

Comentários

Há 4 comentários para esta postagem
  1. Lívio Oliveira 6 de dezembro de 2010 8:50

    Que nada, prezado Carito. Vocês merecem…

  2. Carito 5 de dezembro de 2010 23:00

    Caro Lívio: diante de tantos elogios fiquei encabulado, sem saber o que dizer… Por isso ainda não tinha comentado nada… Obrigado pelas generosas palavras… Tudo tão Lívio, leve e solto…

    Abraços!

  3. Lívio Oliveira 2 de dezembro de 2010 10:36

    Simplesmente faço justiça, caro Jarbas. Sei, com a graça de Odin, identificar os bons e os maus textos. E você é um bom texto. E um bom companheiro de cafeína, essa droga inteligente.

    Combinemos.

  4. Jarbas Martins 2 de dezembro de 2010 8:47

    Falou e disse bem, poeta Lívio Oliveira.Eu e os poetas Sheyla Azevedo e Moacy Cirne pensamos também como você.Olha, amigo Lívio, estou pensando em publicar uma série de poemas à maneira de…Como fazia o poeta Manuel Bandeira, que gostava também de dedicar poemas a amigos (v.MAFUÁ DE MALUNGO).Eis um poemeto que fiz, à maneira de Carito, e dedicado a Sheyla Azevedo:

    AH! SHEYLA!

    Escrever como Carito:
    fulgor de poesia
    sem pós-escrito.

    Jarbas Martins

    Abraços, amigo Lívio.Quando tomaremos aquele cafezinho ?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

ao topo