Cascudo: erudito e popular

Caros amigos:

Uma das discussões mais interessantes de Câmara Cascudo, em meu entendimento, diz respeito à erudição da cultura popular (e à popularidade da cultura erudita, é claro). Os cantadores não são sujeitos ignorantes e atrasados, pelo contrário, possuem uma vastíssima cultura acumulada e transformam essa cultura através de suas novas criações. A erudição mundial circulava e continua a circular oralmente e or outras vias entre lavadeiras, cozinheiras e passadeiras, que recontavam e recontam mitos egípcios, babilônicos, gregos e alemães (dentre outros) no sertão nordestino conhecido por Luís em sua infância e no nordeste que conhecemos hoje. A relação dos intelectuais brasileiros modernistas – e Cãmara Cascudo se destacava entre eles – com a cultura popula não era de mero uso (matéria prima) mas de diálogo.

Macumba é bom e eu gosto, considero-a eruditíssima. Dominar aqueles requintados saberes musicais, culinários e teológicos inclui existir uma elite nela, sim. Que pode ser boa ou ruim, dependendo de engenho, arte e projetos efetivos.

Abraços:

Nasci em Natal (1950). Vivo em São Paulo desde 1970. Estudei História e Artes Visuais. Escrevo sobre História (Imprensa, Artes Visuais, Cinema Literatura, Ensino). Traduzo poemas e letras de canções (do inglês e do francês). Publiquei lvros pelas editoras Brasiliense, Marco Zero, Papirus, Paz e Terra, Perspectiva, EDUFRN e EDUFRJ. Canto música popular. Nado e malho [ Ver todos os artigos ]

Go to TOP