Castro nega tortura em Cuba

Do ditador cubano Raul Castro, que recebeu a visita de Lula (acima, confraternizando com o ditador aposentado Fidel Castro): “A tortura não existe, não houve tortura e não houve execução. Isso acontece na base de Guantánamo” – disse Castro, durante visita de Lula.

Quanto cinismo do ditador. Porque todo mundo sabe (menos uma grande parcela dos cubanos, claro, devido a falta de liberdades no país) que existem torturas e execuções em Cuba e em Guantánamo. Um erro não justifica o outro.  Condenamos Guantánamo e Cuba pelos desrespeitos aos direitos humanos.

O presidente brasileiro não poderia ter chegado em pior hora em Cuba. Logo no dia da morte do preso político Orlando Zapata (noticiada aqui hoje cedo), que gerou protestos em todo o mundo.

É insana e vergonhosa a política do Governo Lula com relação a Cuba. Um equívoco monumental. Ao invés de pressionar em favor da democracia, ancorado no protagonismo que detém na América Latina, o Brasil cala sobre a ditadura cubana. Não já justificativa que me convença sobre a posição brasileira.

Lembro-me aqui do incômodo que Jimmy Carter, com sua política de direitos humanos, causou à ditadura brasileira. Porque o governo brasileiro não segue uma linha parecida?

O discurso de culpar os EUA por tudo de ruim que acontece na ilha e também afirmar que criticar a ditadura cubana é fazer o jogo dos americanos há muito deixou de fazer sentido. Só os que sofreram lavagem cerebral ou são fanáticos ainda pensam assim. Esse discurso e a repressão são quem ainda mantém a ditadura de pé.

Por mim, ela já teria ido abaixo faz tempo. Temos horror à ditaduras e ditadores.

ao topo