Poesia

Francisco Júnior Damasceno Paiva nasceu 1967 em Martins – RN. É graduado em Filosofia pela UFPB (1998), com pós-graduação em Educação pela UEPB (2014). Professor de Filosofia do Estado da Paraíba. Ganhou Menções Honrosas no VI e no X Concurso de Poesia Luís Carlos Guimarães da FJA – Natal/RN, em 2006 e 2015, respectivamente.  Escreveu também […]

Continuar Lendo

Fotografia: João Machado   Seu assessor, é verdade… Nasci num quarto sem cama Em meio à calamidade Brincando em poças de lama. Cresci vendo as brigas feias Dos caciques das aldeias Ungidos de estupidez E deixando isso pra lá Dum tempo desse pra cá Vim rir a primeira vez.   Seu assessor, o ano inteiro […]

Continuar Lendo

Fotografia: Kelly Fersan I. Meu norte aponta Na sua direção, To sem passaporte, Tenho medo de avião, Não levo mala Nem bagagem, Se você for comigo Nessa viagem, Segure forte minha mão. Ainda com pé no chão, Desejo olha pro céu, E em forma de oração, Pede pra seguir contigo E deixar sua alfândega, Confiscar […]

Continuar Lendo

Eram feito dois ímãs Obstinados A pregarem-se Atraírem-se Como objetos Cativos Um do outro Talvez Pelo aroma De tília que dela Exalava Nos momentos Eternos do sexo. Haveria sentimento Nos gestos No movimento em Direção Ao enlaçamento Ao abismar-se Um no outro No entrar-se No desmedimento Vontades sem fundo Contenda de Corpos azougados? Por anos […]

Continuar Lendo

Fotografia: Kelly Fersan I. Olhar que não resvala Penetra pupila Mira na cara Janela da alma Não carece Cortina Muito menos trava Cristalino em dia Córnea afiada Não feche os olhos ABRA!   II. Não há brilho mais intenso, do que o meu olhar, quando repousa no seu. Já percebeu? Desequilibra, fica quente, depois soa […]

Continuar Lendo

Exposição “Genealogia Poética das Escrituras Sangradas”, de Civone Medeiros, estará em Nalva Melo Café Salão até dia 02 de dezembro. Imagem de capa: Clarissa Felipe Quase um ano depois da abertura, a exposição Genealogia Poética das Escrituras Sangradas, de Civone Medeiros, está em seus últimos dias em Nalva Melo Café Salão. A mostra está indicada […]

Continuar Lendo

Uma boca fala para um olho ver Que tudo se cala ao anoitecer Uma boca diz a esse olhar feliz: Ví­trea í­ris, verde verniz! Uma boca finge ser uma esfinge O olhar de mil segredos se tinge. Uma boca mente ao olhar clemente Se o olho não vê, a boca não sente! Uma boca deseja […]

Continuar Lendo

A jangada escorrega no dorso lí­quido da terra. Serpenteando o pano úmido do templo, vê-se o vaqueiro do mar (lustrado de ouro e gema) cavando o mapa angular das cartografias.   O engenheiro alcança o olho além da linha: túmulo da forma horária da bússola e esquadrinha os pontos cardeais com a lâmina do remo, […]

Continuar Lendo

Estive em Salamanca, Espanha, pela primeira vez, em 2013, por ocasião do XVI Encontro de Poetas Iberoamericanos, para divulgar o livro de poesia Vento da Tarde (Sarau das Letras, Trilce Ediciones). Na oportunidade, tive o prazer de conhecer JACQUELINE ALENCAR, escritora e palestrante atuante no seu meio. Quatro anos mais tarde, a amizade construída com […]

Continuar Lendo

Zila Mamede é das mais importantes poetas do Brasil. A sua perfeição poética, de forma e invenção, não é menor do que a de Cecília Meireles, Adélia Prado ou Hilda Hilst. Os seus poemas foram elaborados com engenho e arte. Contudo, não ganhou fama nacional, ainda que reconhecida e altamente admirada por nossos grandes poetas. […]

Continuar Lendo
Vá para Topo