CENAS

ereto

cala frio

o torturador gozou

embora ocupado

 

diante da dor

o instante supremo de ser o outro

mesmo avesso espelho

um corpos no espaço

 

fundo desprezo

a força que depende da fraqueza

descobrir-se fraco no prazer

 

sem correspondência

ou sim

a corda da forca

afogado

nem culpa

anti

penúltimo desejo

Nasci em Natal (1950). Vivo em São Paulo desde 1970. Estudei História e Artes Visuais. Escrevo sobre História (Imprensa, Artes Visuais, Cinema Literatura, Ensino). Traduzo poemas e letras de canções (do inglês e do francês). Publiquei lvros pelas editoras Brasiliense, Marco Zero, Papirus, Paz e Terra, Perspectiva, EDUFRN e EDUFRJ. Canto música popular. Nado e malho [ Ver todos os artigos ]

Comments

There are 4 comments for this article
  1. Anchieta Rolim 11 de Fevereiro de 2014 9:30

    Poema forte e pesado…É isso aí, poeta Marcos Silva!

  2. Marcos Silva
    Marcos Silva 11 de Fevereiro de 2014 10:13

    Grande abraço, Anchieta.

  3. Oreny Junior
    Oreny Junior 11 de Fevereiro de 2014 12:49

    ereto
    diante da dor
    fundo desprezo
    sem correspondência
    .lindo poema, Marcos. Parabens!

  4. Marcos Silva
    Marcos Silva 11 de Fevereiro de 2014 21:08

    Obrigado pelo carinho, Oreny. Beijo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Go to TOP