Chega de religião na vida do país

Por  Marcelo Carneiro da Cunha
NA SUL 21 – VIA BLOG DO MILTON RIBEIRO

Caríssimos Sul21enses, alvíssaras! Eis que o nosso estimado STF foi lá e pimba, desentortou o pepino um pouco mais, e cá estamos nós, basicamente, melhores, se não como pessoas, então como cidadãos de uma república laica.

E felizmente laica, embora não laica o bastante, na prática. Ter que conviver com a CNBB e os Malafaia metendo o bedelho em assuntos que não lhes dizem respeito é um desrespeito, para quem sabe que o país tem uma Constituição e que nela não está dito que alguma igreja manda na gente.

A igreja católica já tem os seus católicos para infernizar — não tem nada que estender seus ódios até quem não fez nenhuma escolha por escutar os seus mandamentos. As seitas evangélicas não tem nem ao menos a arquitetura e o tempo de residência que dão um certo verniz de respeitabilidade para a igreja católica. Mas, ficam assim mesmo indo muito além das suas auto-definidas atribuições e se intrometendo na vida real, como se dela entendessem. Basta.

A Constituição dá às igrejas o direito de existirem, e isso me parece assegurado. Elas podem existir, elas têm esse direito, embora eu não entenda por que elas não deveriam pagar impostos como todas as empresas, já que cobram, embora nem ao menos entreguem. Mas o que a Constituição assegura é o direito que as igrejas e seitas têm de pregar para os seus convertidos e tentar arregimentar outros incréus pelos meios dos seus templos e, infelizmente, de suas concessões de rádio e tevê. Nesse universo, e desde que elas não descumpram as leis, elas têm liberdade para falar e pregar e fazer o que bem entenderem, seus fiéis idem. Agora, o que elas não podem é vir aqui fora interferir no funcionamento do mundo onde vivem os demais cidadãos que não compartilham das suas crenças, isso não. Se um bispo católico quer dizer aos seus seguidores que o homossexualismo é errado, ok, embora eu não entenda por que as pessoas devam ouvir opiniões de eunucos quando o assuntos é sexo. Quando quero uma opinião sobre meus rins eu não costumo consultar paraquedistas ou motoristas de ônibus. Se o tema é sexo, quero ouvir quem pratica e muito, e se o tema são doenças, quero ouvir a área da saúde. Não quero ouvir bispos e pastores, e ninguém diz que eu tenho que fazer isso.

Mas eles insistem em berrar nos nossos ouvidos, como se direito tivessem. Não tem. Essa é uma república laica e laico quer dizer que as religiões não definem as leis ou a vida cidadã. Eles esquecem desse detalhe, não esquecem? No primeiro turno da eleição 2010 foi aquele enrosco. Nossas vidas sendo definidas por um ser primitivo como Silas Malafaia, da seita da Marina Silva? Os cardeais assustando com o fogo eterno a quem não votasse no Serra? Agora, a CNBB se mostrando em toda a sua feiúra diante do STF? Isso serve para a gente lembrar que as igrejas e seitas podem posar de boazinhas em reclame de Campanha da Fraternidade, mas na hora do pega, olhem o que eles são e o que eles dizem. Padres dizendo que os gays são promíscuos? Isso não é coisa do Bolsonaro? Bolsonaro é católico? O casamento para os gays é o fim da sociedade civilizada? Quem organizou e conduziu uma Inquisição tem condições de apitar sobre o que quer que seja? Para algo guiado pelo divino, eles erraram e erram demais, não lhes parece?

Igrejas contavam quando além de nos excomungar elas podiam cancelar o nosso CPF. Numa república laica, quem pode é a Receita Federal, e é importante que nos lembremos disso. A intolerância deve ficar no seu canto, já que existe, mas não tem o direito de contaminar a vida.

Nós, cidadãos de uma república laica, temos o direito a uma vida laica e não precisamos ouvir o que temos ouvido, da parte de quem não tem nada, mas nada mesmo a dizer, ao menos para quem não acredita no que eles pregam. Não quero ter que dar bola para o que pensam católicos, protestantes, evangélicos, islâmicos, ou budistas, enquanto eu queira e deva dar bola para o que realmente pensam os cidadãos por trás desses rótulos. Cidadania é uma condição humana, exercitada por humanos, e com humanos se pode dialogar, mesmo discordando. Com quem se segura no que entende como uma verdade divina, mesmo que nada a comprove a não ser o desejo absoluto de acreditar em algo, não há como dialogar, e não há por que dialogar.

O STF ontem lembrou a todo mundo, especialmente ao Congresso, o que somos. Lembrou também `às igrejas o que elas são. Elas foram, esbravejaram e tomaram uma sova. Melhor assim, e é para esse mundo que despertamos hoje. Mais conscientes do nosso poder, mais conscientes da nossa responsabilidade. Ela é nossa, de ninguém mais e, portanto, a ela.

Comments

Be the first to comment on this article

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Go to TOP