Cinco anos…”e la nave va”…

Quem quer passar além do Bojador
Tem que passar além da dor.
Deus ao mar o perigo e o abismo deu,
Mas nele é que espelhou o céu.”

(Do poema “Mar Português”, de Fernando Pessoa, in “Mensagem”).

“O porto sempre por achar.”

(Do poema “Padrão”, Fernando Pessoa, idem).

“Navigare necesse; vivere non est necesse”.

(frase do General romano Pompeu, posteriormente usada por Pessoa, num dos seus mais célebres poemas).

_____

P.S. Olha só, na imagem acima, o esforço que o Tácito faz para nos conduzir nessa barca, nessa nau…

Advogado público e escritor/poeta. Membro da Academia Norte-Rio-Grandense de Letras. [ Ver todos os artigos ]

Comentários

Há 14 comentários para esta postagem
  1. Jarbas Martins 1 de julho de 2012 8:53

    Um abraço para todos os pluralistas.

  2. Lívio Oliveira 1 de julho de 2012 7:42

    As comemorações dos 5 anos do SPlural foram deliciosas. Muito afeto, bom papo, descontração. Gostei muito de conhecer pessoalmente figuras como Nina, Momba, Cellina, Anchieta Rolim… E reencontrar os demais. Foi bonita a festa, Pá.

  3. Lívio Oliveira 24 de junho de 2012 10:28

    Ou dois: Jarba Martin, com esses “esses” no fim…

  4. Jarbas Martins 24 de junho de 2012 9:24

    Exatamente, meu singularíssimo Lívio Oliveira.

  5. Lívio Oliveira 24 de junho de 2012 6:40

    Jarbas, por sinal: o teu nome não é um substantivo plural?

  6. Lívio Oliveira 4 de junho de 2012 10:12

    E, por falar em navegações, ando lendo, a conta-gotas e me deliciando, um livro excepcional que encontrei em Recife (mas, já vi em livrarias daqui de Natal). Trata-se de “A Nau dos Insensatos”, de Sebastian Brant, editora Octavo, 2010. Tem passagens fantásticas. Além do mais, a obra é cheinha de ilustrações atribuídas a Albrecht Durer.

    Posteriormente, trarei algumas passagens atualíssimas do livro. Saliente-se que foi escrito, originariamente, como longo poema satírico, em 1494. Mas, como é atual! Atualíssimo!

  7. Feique 4 de junho de 2012 9:58

    A navegação e cancioneiros fenícios são alguns séculos anteriores a Plutarco, que nunca negou sua admiração pelos filósofos gregos e deferência quase subserviente à nobiliarquia romana. Agradeço a oferta de consulta, mas vou esperar o fim do papel escrito.

  8. Marcos Silva 4 de junho de 2012 9:33

    Jairo tem razão, E la nave va é um filme de plena maturidade de um artista que já fizera tanta coisa de excepcional qualidade, desde o começo da carreira – considero “A estrada” um assombro de bom, uma Giulieta Masina antológica e cenas de tirar o fôlego, como o encontro com a vaca e o choro final de Anthony Quinn.

  9. Jairo Lima 4 de junho de 2012 9:18

    Quando vi pela primeira vez E la Nave Va, tive a sensação que a mundiça deve ter sentido quando entrou pela primeira vez na Capela Sistina e contemplou aquele desmantelo de beleza.
    Fui contemporâneo de uma obra-prima.

  10. Lívio Oliveira 4 de junho de 2012 8:03

    Corrigindo: “Vidas dos Homens Ilustres”, sem o artigo definido.

  11. Lívio Oliveira 4 de junho de 2012 8:01

    Sobre o episódio da frase do corajoso Pompeu, se alguém quiser saber mais, basta abrir a página 183 do volume 6 da obra de Plutarco, “As Vidas dos Homens Ilustres” (“Vida de Pompeu”), Editora das Américas, São Paulo, 1953. Tenho os quinze volumes dessa bela e (talvez, rara) obra, traduzida por um certo Prof. Carlos Chaves, conforme a edição francesa de 1818.

    Não posso emprestar, mas deixo ver.

  12. Lívio Oliveira 4 de junho de 2012 6:06

    Uma rara apresentação de Elis Regina cantando um fado. Trata-se de “Os Argonautas”, de Caetano Veloso:

    http://www.youtube.com/watch?v=nDULCSs57mE

    “Navegar é preciso…”, continuo a dizeire.

  13. Lívio Oliveira 3 de junho de 2012 22:42

    não me leve a mal! faço parte desta nau! não me leve a nau!

  14. Alex de Souza 3 de junho de 2012 20:29

    segue sua nau! segue sua nau!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

ao topo