Cineasta Eduardo Coutinho é assassinado no Rio

Eduardo Coutinho em foto do Festival do Rio de 2011; cineasta foi encontrado morto em casa neste domingo Foto: Domingos Peixoto / Agência O Globo

Divisão de Homicídios confirma que filho do diretor foi responsável pela morte.

aqui

Comments

There are 4 comments for this article
  1. Tácito Costa
    Tácito Costa 2 de Fevereiro de 2014 21:02

    Um final de semana para o cinema esquecer. Em dois dias partiram o cineasta húngaro Miklós Jancsó, o diretor brasileiro Eduardo Coutinho e o ator norte-americano Philip Seymour Hoffman. De Jancsó, só assisti “Vícios Privados, Virtudes Públicas” (leia sobre: http://www1.folha.uol.com.br/revista/saopaulo/sp2310201144.htm). Já de Coutinho acho que assisti tudo, ou quase tudo. Não tenho dúvida em apontar “Cabra marcado para morrer” como um dos documentários que mais me impressionaram até hoje. Gostava das atuações de Philip Seymour. O último filme que assisti com ele foi “O Mestre”, de 2012. Não gostei, achei chato, mas ele justifica o ingresso.

  2. Jarbas Martins 3 de Fevereiro de 2014 10:08

    Lembrando, Tácito, que dois filmes de Eduardo Coutinho (que deu voz a oprimidos e opressores, acentuando, através de sua inovadora arte de filmar, as injustiças sociais no campo) fazem referências ao Rio Grande do Norte.”Cabra marcado para morrer” (boa parte se passa na cidade de São Rafael, em nosso Estado).E “Theodorico. o Imperador do Sertão”,(uma produção da Globo, que nada fica dever aos seus outros filmes).Quando era conselheiro da Cooperativa Cultural Universitária( gestão de Bartolomeu Correia de Melo) dei a sugestão para que se fizesse uma mostra, seguida de debates, desses dois filmes de Coutinho.Além disso poderia ser convidado gente da terra como Jussara Queiroz, natural de Jucurutu, de recohecido talento, ex-aluna de Moacy Cirne, na Universidade Federal Fluminense.Mas falou-se que ela se encontrava doente..Pensei em.Fernando Monteiro, nosso amigo do Substantivo Plural, que eu só conhecia de nome.Minha sugestão foi arquivada, mas quem sabe se na próxima eleição, em março, da Cooperativa (fala-se em uma chapa de renovação encabeçada pela professora Vilma Vitor) essa idéia se concretize.Abraços,

  3. Antonio Nahud 3 de Fevereiro de 2014 12:54

    Tácito, este final de semana partiu também o excelente ator Maximilian Schell, Oscar 1961 de Melhor Ator por “Julgamento em Nuremberg”.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Go to TOP