“Cinema é arte do homem cósmico”

Trecho de entrevista do cronista Berilo Wanderley à Tribuna do Norte, em 10 de abril de 1965, publicado no livro Revista da Cidade – uma coleção de alguns de seus textos, organizado por Maria Emília Wanderley. Infelizmente não cita o jornalista responsável pela matéria. Berilo Wanderley foi o grande responsável pelo toque de modernidade da crônica potiguar.

Que valor atribui ao cinema?

BW: O cinema é a arte por excelência do homem cósmico. Para este, o cinema cada vez mais tende a tomar o lugar do romance, principalmente quando consideramos a opinião de uma corrente de críticos literários que dão o romance como gênero extinto desde o fim da Segunda Guerra Mundial, ou pelo menos uma anomalia dentro do nosso tempo. quer assim dizer que cabe, dia a dia, mais ao cinema, com seus Antonioni, Resnais, Trufaut, Kazan, a responsabilidade de descobrir, perscrutar as possibilidades do homem, observá-lo em suas misérias e grandezas, levar-lhe mensagens que o animam a lutar contra os senhores do mundo e as iras do tempo.

Os livros fundamentais, na sua opinião?

BW: Para mim são aqueles que, depois de lidos uma vez, ficam exigindo releituras, vez em quando, ou que marcam minha personalidade e minhas atitudes frente à vida e aos homens: “Os Ensaios, de Montaigne, “Em Busca do Tempo Perdido”, de Proust, “Moby Dick”, de Melville, quatro ou cinco de Dostoievski, tudo o que já li de Sartre”.

Acredito que música, literatura e esporte são ansiolíticos dos mais eficazes; que está na ralé, nos esquisitos e incompletos a faceta mais interessante da humanidade. [ Ver todos os artigos ]

Comments

Be the first to comment on this article

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Go to TOP