Claquete do 21º FestNatal – Seção Vidas na Tela

O cinema Nacional a serviço da memória e da história. Alguns filmes documentários ajudam a enxergar o Brasil, país continental. Um povo que não conhece a sua história está fadado a repeti-la e ser dominado. Na 10ª Mostra Vidas na Tela exibido no cinema Moviecom como parte do 21º FestNatal, período de 06 a 11 de Dezembro de 2011, tivemos a oportunidade de ver excelentes documentários retratando a cultura e política brasileira.

Dois filmes trataram especificamente de música: O “Rock Brasília – Era de Ouro ” (foto 1) e o “Prova de Artista “ ( Música de Concerto) – foto 2. A chacina de Vigário Geral onde houve estupro de adolescente e foram assassinadas 21 pessoas inocentes e trabalhadores, foi resgatada do esquecimento no pungente e forte documentário “Lembrar para não esquecer”. O melhor filme da mostra foi em minha opinião “Tancredo – a Travessia”. Além desses filmes foi exibido o “ Casa 9 “ do Luiz Carlos Lacerda. Um excelente documentário que mostra os famosos moradores da casa 9, em Botafogo- RJ, e seus vizinhos.

Rock Brasília – Era de Ouro / Vladimir Carvalho

“Todos os dias quando acordo , não tenho mais o tempo que passou. Mas tenho muito tempo: Temos todo o tempo do mundo” Tempo Perdido – Renato Russo.

No filme” Rock Brasília – era de ouro” do Vladimir Carvalho, uma grande homenagem ao Rock do Brasil e sua década de ouro – a década de oitenta do século passado. Um cenário: Brasília e a Turma da Colina. Um personagem: Renato Russo. Grande líder da banda Legião Urbana e seus discos antológicos, com destaque para o famoso album As Quatro Estações, gravado ao vivo e em estúdio. Foi muito grande a influencia do punk e dos Sex Pistols no Rock Nacional. O sex Pistols influenciou toda uma geração de
bandas e a Legião marcou um ponto de inflexão no Rock feito no Brasil. Além da Legião Urbana o filme focaliza as bandas Capital Inicial e Plebe
Rude. O filme, dirigido pelo veterano Vladimir Carvalho, traz depoimentos raros dos grandes protagonistas do rock nacional Renato Russo aparece em
imagens raras e inéditas. O guitarrista Dado Villa-Lobos presta depoimentos preciosos. Também comparecem os músicos Marcelo Bonfá, Dinho
Ouro Preto, os irmãos Fê e Flávio Lemos (Aborto Elétrico) e Philippe Seabra ( Plebe Rude). Caetano Veloso e os músicos do Paralamas do Sucesso
enriquece o documentário com seus depoimentos. O filme também mostra a formação das bandas e suas reuniões na Colina, em Brasília. A chegada do Renato em Brasília com doze anos. a troca de sua
bicicleta por uma bateria. Protagonistas de um tempo de forte repressão
política. Os músicos reagiam e fazia história numa década onde a nação
brasileira reivindicava eleições diretas. Eles perguntavam: “que país é
esse”? Gostei muito do filme, mas acho que ficou muito centrado nas
entrevistas que se alongaram. Podia ter tocado mais e falado menos. O Autor do Faroeste Caboclo e Eduardo e Monica foi lider e vitima de um tempo louco e repressivo. Filmes como esse ajuda a resgatar um momneto rico da cultura nacional.

Prova de Artista/ Jose Joffily

Prova de Artista é um documentário que trata a trajetória de cinco jovens
músicos que se preparam para ingressar no mundo de trabalho. Eles estudam
muito para o concurso para tocar numa orquestra. A penosa trajetória
desses artistas é acompanhada em ensaios que antecedem as provas e
audições. Byron Hitchcock é um jovem americano que vem para o Brasil em
busca de emprego e depois de muito estudar consegue passar no concurso para violinista da OSB
(Orquestra Sinfônica Brasileira). O oboísta Ricardo Barbosa consegue
ingressar na OSESP, Orquestra Sinfônica do Estado de São Paulo. Rodney
Silveira vai tocar na OSB Jovem, Orquestra Sinfônica Brasileira Jovem.
Catherine Carignan tem um filho pequeno e tem muita dificuldade de estudar
o fagote, mas acaba ingressando na OFMG, Orquestra Filarmônica de Minas
Gerais. Nessa importante orquestra também ingressa Rodrigo de Oliveira
como violinista. É de Carignan o desconcertante comentário: uma orquestra
funciona com um organismo de muitas rivalidades e intrigas. De
mesquinharias e pequenez como costuma acontecer em qualquer grupo de
humanos. Prova de Artista acompanha as dificuldades, rotinas, paixão,
métodos e abnegação desses artistas que precisam estudar muitas horas ao
dia para conseguir ingressar no competitivo mercado de trabalho dos
músicos de orquestras. Uma orquestra funciona como algo que precisa soar
harmonicamente, mesmo que muitos músicos não se dêem. É muito complexa a
relação entres os músicos, solistas e maestro.
Devo mostrar o que o júri quer ouvir ou o que acho que é correto? Essa
dúvida permeia muitas vezes o musico.
Outras vezes sou prejudicado pelo meu partner que não segue o mesmo
andamento, ritmo e pausas minhas.

Lembrar para não esquecer / Milton Alencar Jr

Após 18 anos pouco se fala do massacre de Vigário Geral. O documentário
“Lembrar para não esquecer”, ajuda a não esquecer as grandes chacinas que
vitimaram dezenas de inocentes em Vigário Geral, Candelária e Acari. Filme
denuncia de uma estética da crueldade que não pode ser esquecida. Uma
temática forte difícil de sensibilizar os patrocinadores, diz o diretor
Milton Alencar. O filme traz depoimentos de familiares de vítimas, e
pessoas que perderam a alegria de viver depois de ter visto assassinado
seus entes queridos. Pessoas que sentem ameaças e não conseguem ficar
sozinhas. Um terror em nome da segurança de um país de impunidade. Poucos
pagam pelos seus atos e atrocidades. O filme mostra os detalhes da chacina
de 21 mortos por um grupo de policiais e ex-policiais na madrugada de 29
de agosto de 1993. As chacinas da Candelária e Acari, também são
lembradas em cenas horripilantes. Esses crimes não podem ser esquecidos e
o objetivo desse documentário é lembrar. Lembrar quando a cidade faz uma
operação cosmética antes dos grandes eventos das Olimpíadas e Copa do
Mundo. Os nomes de cada um com suas respectivas idades vão sendo
anunciadas. Muitos jovens na flor da idade, trabalhando ou procurando
emprego, foram assassinados, mesmo quando mostravam documentos. Um crime de
lesa-pátria que não pode ser esquecido e o documentário do Milton faz
lembrar e doer. Uma mancha de sangue e torpor que não pode ser repetida.
O coronel Emir laranjeira e seus comandados apelidados de “os cavalos
corredores” não querem lembrar, mas as pessoas que ficaram sem os seus
filhos e parentes não esquecem e sofrem de pesadelos. Treze policiais
militares foram expulsos após a chacina de Vigário Geral em 1993. Dos
cinqüenta e dois policiais acusados, sete foram denunciados pelo Ministério Público. Apenas dois foram a júri popular. Após dezoito anos da chacina, nenhum acusado está preso.

Casa 9

Na famosa casa 9, em pleno regime ditatorial, o compositor Jards Macalé e o cineasta Luiz Carlos Lacerda (Bigode) dividiram a casa 9 em Botafogo – RJ. Por essa casa passaram muitos artistas e escritores. Foi na casa 9 que Jards Macalé compôs Vapor Barato, além de outras canções. Paulinho da Viola morou numa residência vizinha à casa 9 e sua música era ouvida pelos moradores da vila. Por ai passaram Lenine, Jorge Salomão e exilados. Foi nessa casa que o cineasta Luiz Carlos Lacerda entrou em contato com a escritora Clarice Lispector para tratar do roteiro que seria escrito a quatro mãos numa parceria do Luiz com Clarice. Na ocasião, telefone era artigo de luxo, na famosa casa 09 não tinha telefone e o cineasta narra no documentário homônimo como recebeu um telefonema – via vizinho – da famosa escritora. Ao atender o telefonema, entre perplexo e maravilhado, o Luiz respondia com palavras isoladas. Não podia demonstrar toda a sua euforia na frente dos vizinhos desconhecidos que ouviam a conversa. Depois Clarice vem na Casa 09 para conversar com Lacerda de viva voz e sugere coisas mirabolantes. A presença daquela mulher bem vestida e séria chamou a atenção de todos. Pena que não ficou registro da visita da nobre senhora. O roteiro foi concluído em 1974 e filmado com grande elenco; Lucélia Santos, Carla Camurati, Chico Diaz, Louise Cardoso, Karla Martins, Claudio Perotto e Rodney Pereira. O filme foi dirigido pela sobrinha de Clarice, a cineasta Nicole Algranti. Um curta-metragem de 11 m em 35mm. Uma bela homenagem à escritora da Hora da Estrela.

Tancredo – A Travessia

O político mineiro Tancredo Neves (1910-1985) foi um grande estadista. Político habilidoso e conciliador. Politico nacionalista na linha de Getúlio Vargas, com quem trabalhou, sofreu forte influencia e apoiou até o fim do terrível desfecho. Assim como Getúlio ele acreditava que política é destino. Um dos epicentros da politica nacional ficava em Minas Geraes e Tancredo seu principal protagonista. O documentário de Silvio Tendler é uma verdadeira aula de história do Brasil recente e mostra imagens e fatos cruciais que influenciariam a politica nacional como um todo. Se Tancredo Neves do PSD não tivesse perdido a eleição do governo de Minas para Magalhôes Pinto da UDN, talvez não tivesse havido 64. A atuação de Tancredo foi fundamental para que a posse de João Goulart fosse possível. Após a renúncia de João, o primeiro presidente militar foi o marechal Humberto de Alencar Castello Branco, com quem Tancredo tinha amizade e livre transito. Tancredo também foi fundamental para organizar a oposição ao regime militar e na memorável campanha das diretas, exibida no filme em preciosas imagens. Tancredo foi um dos fundadores do MDB e junto com Ulisses Guimarães formou uma dupla decisiva para a transição democrática do Brasil. Eleito presidente , adoeceu e não conseguiu tomar posse. Seu vice, José Sarney, seria o presidente do Brasil. Tancredo morre numa comoção nacional. Belíssimo documentário com preciosas imagens de jornais, pessoas e documentos. Com revelações históricas e grande elenco. Alguns dos principais protagonistas da história republicana do Brasil estão presentes nesse filme.

Físico, poeta e professor [ Ver todos os artigos ]

Comentários

There is 1 comment for this article

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

ao topo