Clauder Arcanjo

Paro…

Quando o tempo avança,

sem freio, nem contradança.

Quando a poesia cala,

sem público, nem sala.

Quando o real se diviniza,

sem sonho. E ninguém o anarquiza!?

Mossoró-RN, 20/08/2011

Comentários

Seja o primeiro a comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

ao topo