A complicada análise sobre a Chamada Pública de seleção musical para o Natal em Natal

O talento do músico potiguar estará no palco do Natal em Natal 2015. Isso é irrefutável. Serão 13 atrações locais na abertura dos sete shows nacionais e com um cachê razoável de R$ 6 mil.

Abre-se discussão onde? No valor do pagamento. Na real crise financeira. No comparativo de cachês pagos em outros eventos geralmente abaixo desse valor. E ainda entre os valores nacionais e locais.

Independentemente da droga da fama, da consagração ou do “arrastar multidões” que justificam o alto valor pago aos artistas nacionais selecionados para esta edição do Natal em Natal, há outro viés.

Os recursos totais de pagamento desses sete nomes nacionais, além de Gilberto Gil, no Flin, são oriundos do Ministério do Turismo a partir de um catálogo onde esses músicos estão inscritos já com cachês definidos.

Então funcionou mais ou menos assim: a Funcarte escolheu cada nome na lista conforme os recursos disponíveis junto ao MTur. Ressaltando que projetos individuais para cada artista facilitavam a aprovação junto ao órgão.

De acordo com a lista de nomes disponíveis no catálogo, se escolheu atrações mais ao gosto do público da Zona Norte e da Zona Sul, também levando-se em conta o orçamento.

Para os músicos locais foi outra rubrica. Se conseguiu aprovar R$ 78 mil para selecionar quantos músicos quisesse com esse valor. E a Funcarte decidiu selecionar 13 com cachês de R$ 6 mil. Poderiam ser 26 músicos com R$ 3 mil. Ou 3 artistas com R$ 26 mil, etc.

Outro dado: o Natal em Natal demandará investimento abaixo de R$ 2,5 milhões. Desse montante, cerca de R$ 1,5 milhão será de investimento privado ou federal. O aporte da Prefeitura é menor do que R$ 1 milhão, voltado praticamente à infraestrutura do evento.

Então, há alguns dados aí para discussão e para reivindicações, sobretudo à nova e combativa Rede de Música Independente de Natal. Acho muito bacana esse movimento e acredito que prospere em breve.

Lembrando que uma nova diretoria na Fundação Zé Gugu assumiu e acho oportuno apontar a mira para lá também. São dois os órgãos governamentais incentivadores da cultura, e não apenas um. Aproveita que o Crispa é aberto ao diálogo.

É isso. #Nataltemmusica #Remuin #Natalteráatraçõeslocais #Musicomerecemaisvalor #etc.

MUDANDO DE CONVERSA……………… Milena Azevedo montou uma programação massa sobre Anos 80, no Praia Shopping. Dia 14 novembro (16h), bate-papo sobre a Moda nos Anos 80 (Virgínia Borges Azevedo e Raniere Pimenta). Dia 21 de novembro (16h), sobre Cinema (Nelson Marques, Gianfranco Marchi e Milena Azevedo). Dia 5 de dezembro (16h), sobre Literatura (Alex de Souza, Maciel Queiroz e Milena Azevedo). Dia 7 de dezembro (19h) sobre a Música (Anderson Foca e Milena Azevedo)……………… O Conexão Elefante Cultural começa hoje pela região Seridó: Caicó, Santana do Seridó e Currais Novos, nas datas respectivas de 6 a 8 de novembro……………… No sábado, o RN Criativo chega à Casa de Cultura de Assu com a palestra “A MPB e o RN”, ministrada pelo produtor musical Zé Dias……………… Mais de três mil alunos da rede municipal irão participar das atividades do Flin realizadas na tenda principal, no espaço Moacy Cirne e no Museu Djalma Maranhão, direcionadas para crianças e adolescentes.

DESTAQUE:

Foto: Tiago Lima
Foto: Tiago Lima
Um projeto infantil musical iniciado há poucos meses pelas cantoras Khrystal, Camila Masiso e Alessandra Macêdo, além de Diogo Guanabara e Sami Tarik, chamado Pipoca Doce, é a pedida de sábado para entreter a criançada. A partir das 15h na Tenda Literária montada no Largo Dom Bosco, em frente ao Teatro Alberto Maranhão. E além de assistir ao show, você pode colaborar doando um brinquedo em boas condições e fazendo um natal mais feliz de crianças que vivem em instituições de acolhimento. O próprio grupo fará a doação. O show é uma ação do SESC.

Jornalista por opção, Pai apaixonado. Adora macarrão com paçoca. Faz um molho de tomate supimpa. No boteco, na praia ou numa casinha de sapê, um Belchior, um McCartney e um reggaezin vão bem. Capricorniano com ascendência no cuscuz. Mergulha de cabeça, mas só depois de conhecer a fundura do lago. [ Ver todos os artigos ]

Comentários

Seja o primeiro a comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

6 − 1 =

ao topo