CONFISSÃO

Carlos Gurgel

nem sei por que escrevo
na maioria das vezes
é para me certificar que não existo

porque tudo que me cerca
certamente é fruto
de muita ousadia e lentidão

e isso tudo não me satisfaz
a ponto de não querer saber mais
do que ainda me faz
acreditar no que os meus olhos vêem

e nada mudará o pensamento
desse coração que caminha em direção
ao caudaloso sorriso que o meu espírito espalha.

Comentários

Há 4 comentários para esta postagem
  1. Carlos Gurgel 14 de junho de 2011 14:37

    ao Lívio ao Jarbas ao Procópio: tri um virado em afabilidades que me fazem acreditar na paixão pelas palavras amigas.
    tenho abraços
    Cgurgel

  2. Paulo Procópio 14 de junho de 2011 11:10

    Que que coisa linda, Carlos!

  3. Jarbas Martins 14 de junho de 2011 10:01

    relaxo, leveza, porosidade.

  4. Lívio Oliveira 14 de junho de 2011 9:39

    Carlos Gurgel: um poeta de quem gosto. Bom lê-lo por aqui.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

ao topo