Conheça as histórias de Ramos, o Forrest Gump do Centro Histórico de Natal

A história do Centro da Cidade seria digna de livro volumoso. E quando o assunto fosse cultura e boemia – capítulo imprescindível ao mosaico antropológico da Cidade Alta – um capítulo significativo seria dedicado a Severino Ramos. São quase 40 anos fincados no berço dos xarias. Ramos viu, ouviu, presenciou e fez acontecer pelo Centro. Assistiu o boom e a decadência do comércio. Viu o nascer de artistas, como Khrystal, foi ancoradouro da trajetória de outros, como Pedro Mendes, e teve até como garçonete e gerente em seu antigo bar, a cantora Cida Lobo e o artista plástico Pedro Pereira. E incansável na idealização de projetos, Ramos estreia em abril o Rock in Rio Potengi!

As acontecências da Cidade Alta nas últimas quatro décadas passaram pelos olhos desse Forrest Gump do Centro Histórico de Natal. Um personagem discreto, mas sempre presente, sempre amigo, sempre um boêmio e um comerciante da Cidade Alta. Hoje, o seu quartel general – o Sebo Balalaika – é mais do que acervo de livros, vinis e instrumentos musicais, mas também galeria ativa de exposições de artes plásticas, estúdio de gravação e, principalmente, ponto de encontro de artistas de ontem e de hoje que se amontoam ali para pocket shows, para papear e beber, em verdadeira confraria cultural.

Ramos conta hoje 56 anos, sendo 38 de Cidade Alta. Pertence à linhagem de figuras emblemáticas do Centro: os saudosos Nazi e Helmut, e quem ainda conta história: Pedro Grilo, Osório, Nazaré, Lula Belmont, Abimael. Mas nenhum deles se misturou tanto aos artistas. Uma amizade construída desde as peladas de futebol nos campinhos do bairro de Lagoa Seca, ainda na adolescência. A escalação do time Ipiranga Futebol Clube viria a ser mais tarde uma seleção de músicos: Nagério, Raul e Fernandão (Alcateia Maldita), o futuro médico Zizinho… E adivinha: Ramos era o roupeiro da equipe. Desde os tempos áureos já cuidava da logística dos músicos.

Uma história por trás de livros, discos e telas. Foto: Ricardo Nelson
Uma história por trás de livros, discos e telas. Foto: Ricardo Nelson

E foi nessa trajetória de bastidores, de coadjuvante, que hoje Ramos virou protagonista. Mas de quê? Explico depois. Vamos ao início, depois de se mudar de Nova Cruz para Natal aos três anos. Começou a trabalhar com livros na adolescência. Passou pelas livrarias Independência e Opção até chegar à Universitária, já no centro da cidade, em 1978. Lá, aos sábados, acontecia sabatinas com intelectuais, como Luís Carlos Guimarães, Sanderson Negreiros, Inácio de Magalhães Sena, o jovem Vicente Serejo… E Ramos montava mesa com as novidades literárias da semana e servia uísque e caipirinha aos notórios do dia. Seu chefe do setor era Antônio Capistrano. E assim foi até 1986.

Nessa época, o hoje sebista e editor Abimael Silva trabalhava na Discol, uma conhecida loja de discos do Centro. E Ramos em meio aos livros na Livraria Universitária. A permuta de discos e livros iniciou a coleção de ambos. Mas a trajetória dos dois foi interrompida com o mesmo propósito totalmente fora de contexto: os malucos foram ser bancários! Abimael no Unibanco, e Ramos, no Banco Econômico. Mas a carreira foi curta, para o bem da cultura e dos clientes (imaginou Abimael, com aquela paciência, atendendo?). Fim da vida burocrata e Abimael começou no ramo sebista. E Ramos montou o Balalaika Bar, em pleno Beco da Lama. O roçoi começava ali.

Ali no Beco Ramos montou um espaço cultural chamado Jorge Fernandes – uma rua com sebos, cafés, feirinha, que culminava no “Balalaika” – nome em homenagem ao poema de Maiakovski e com arte estampada na fachada do bar elaborada por Afonso Martins, depois um reconhecido artista visual. O bar bombava, segundo Ramos, muito incentivado pelas matérias semanais provocadas pelo jornalista Carlos de Souza, entusiasta do local e então repórter de noticiário de TV. Mas a efervescência era tamanha que faltava tempo para a família, e Ramos resolveu vender o bar para… o próprio Carlos de Souza. Ramos lembra do dia:

Um amigo dos artistas. Foto: Gustavo Silveira
Um amigo dos artistas. Foto: Gustavo Silveira
“Carlão chegou com um saco de pão com 120 mil cruzeiros e disse: ´Pegue. Agora, eu quero que Pedro Pereira (artista plástico) continue gerente do bar´. Eu disse: ´Fique com Pedro, com os garçons, com tudo´. E o bar aumentou ainda mais o movimento, até um acontecimento trágico: mataram um suíço na frente do bar. Carlão ficou desgostoso com o acontecido e três anos depois de ele me comprar, o bar fechou”. Com o dinheiro entregue contadinho no pacote de pão, Ramos abriu o Sebo Balalaika, duas casas antes de onde hoje funciona o Bardallos, na rua Gonçalves Lêdo, hoje um ponto fechado onde funcionava jogos de azar.

O Sebo já começou com comércio de telas, bom acervo de livros e instrumentos musicais. E foi ali, em 1993, que Ramos organizou as primeiras exposições individuais de artes plásticas, sempre acompanhadas de pocket shows na frente do estabelecimento. “Me dava um rendimento bom. Eu tinha até patrocinadores. A Adega do Vovô tinha um dono entusiasta da cultura e sempre me cedia duas caixas de vinho. Eu ia lá pegar e distribuía para quem chegasse ao sebo”, recorda. Esse ponto durou cinco anos, até 1998, quando se mudou para a atual “morada”, mais adiante, na Vigário Bartolomeu, com a mesma proposta de miscigenar as artes em um mesmo ambiente.

“Bom lembrar que antes do primeiro Sebo eu comprei uma cigarreira a Abimael, aqui nas proximidades, vendida depois a Ricardo Brito. Nessa época, para me ajudar, Luís Carlos Guimarães, então diretor da Fundação José Augusto, me deu mil livros. Ele gostava de mim desde a época das sabatinas na Livraria Universitária. E ele me cedeu porque reconhecia minha prática na disposição dos livros, ao contrário de outros sebistas da época, que amontoavam tudo num canto. E quando montei o Balalaika, ele me deu outros mil. Por essa época, eu Abimael e Jácio comprávamos muitas bibliotecas juntas: a de Gumercindo Saraiva, de Esmeraldo Siqueira…”.

Ramos e Pedro Abech
Ramos e Pedro Abech
Os três também promoveram, por 11 anos, a Feira de Sebos, na Praça Sete de Setembro – uma verdadeira feira cultural, com shows, gastronomia e muitos livros. Essa veia de criar, produzir e, sobretudo, ajudar, acompanha Ramos nessa trajetória. Como citado, Cida Lobo era garçonete do Balalaika Bar. “Ela olhando Geraldo Carvalho cantar num palco em meia lua que só cabia o cantor mesmo, eu reclamava com ela: ‘Cida, olha o cliente!´. E ela me respondia: `Eu queria cantar´. E abri o espaço pra ela também”. Nesse instante da conversa, outro dinossauro da Cidade Alta, Pedro Abech, chega e interrompe a entrevista, já salpicada por tantos vai-e-vens de artistas para falar com o amigo, e também pelo som do palco montado na entrada.

“Pedro também tem história aqui no Centro”, levanta a bola. Eu ratifico e lembro ter sido no Abech Pub o primeiro palco de Khrystal. “Isso. Khrystal tocava lá com a guitarra de Pedro, rasgando os dedos literalmente, porque eram cordas velhas. Até passamos um tempo juntos. Depois fiz muito som com ela. Quando ela se distanciou mais de Pedro Abech, fui colocando ela pra tocar em alguns locais, tipo o Castelinho. Ela é muito minha amiga hoje, uma pessoa maravilhosa. E Pedro é um dos grandes responsáveis por esse movimento musical no Centro”. No que o amigo completa: “Nós somos!”.

DO SÁBADO DE RAMOS AO ROCK IN RIO E UMA VEIA BREGA
Após tantos projetos culturais, feiras de sebos e até bloco de carnaval, Ramos tem mantido o singelo Palcuzinho, assim mesmo, com U, para ironizar a singeleza dos shows semanais produzidos com estrutura mínima, sempre aos sábados. Com som próprio, não faltam artistas para chegar e cantar. Durante a curta entrevista, Carlos Bem era o nome da vez. Na semana anterior era Pedro Mendes. Mas Ramos quer resgatar o Sábado de Ramos – nome sugerido pelo poeta Lívio Oliveira. São homenagem a poetas potiguares, com shows em um Palcuzinho mais estruturado, comida típica preparada na hora e distribuída gratuitamente, cartazes com as poesias do homenageado pregadas nas paredes e o microfone livre para os recitais. Foram cinco edições. Os homenageados foram Jorge Fernandes, Zila Mamede (paraiguar), ao amigo Luís Carlos Guimarães, Bosco Lopes e Deífilo Gurgel.

A próxima empreitada é o Rock in Rio Potengi. O projeto será realizado no último sábado de cada mês, sempre nos jardins da Pinacoteca do Estado. Com ingresso a R$ 10, o público assistirá três atrações, todas voltadas, realmente, ao rock. A primeira edição será em abril, e outras cinco estão confirmadas para os meses subsequentes. A intenção é cair no gosto do público para atrair patrocínios via leis de incentivo à cultura. Com o anúncio do festival neste blog, Ramos disse que o vocalista da banda Gotama foi até o Balalaika, surpreso: “O cara veio de Santa Cruz empolgado porque você disse que o Gotama está entre as bandas que pretendo selecionar pra primeira edição. Ele disse que iria trazer ônibus cheios de alunos, porque ele é professor de duas escolas. Até prometi desconto de 50% pra essa galera”.

Mas o rock não tira a veia brega de Ramos. “Trabalho como técnico de som desde os 18 anos. E nisso trabalhei com Fernando Luiz, com Gilliard, os bregas todos. Não à toa fundei a banda Balalaika Brega Band”, tendo à frente o compositor Tertuliano Aires, o homem por trás do pornofônico personagem Cabrito. “E meu maestro soberano não é Antônio Conselheiro, mas Franklin Nogvaes, amigo e parceiro de longas datas (risos)”, conclui Ramos, para enaltecer a amizade. E com tantos clientes, e músicos, e amigos e demandas para um embalado sábado, precisei concluir o papo. “É sempre assim aqui, cara. Se não faço nada a galera vem do mesmo jeito. E aí vem comida, doações, gente pra fazer um som. Glorinha Oliveira vem muito. Acho que ainda tenho esse prestígio com a galera”. E eis aí a resposta para o seu protagonismo. Ramos é, sem dúvida, a figura mais prestigiada hoje no Centro da Cidade.

Jornalista por opção, Pai apaixonado. Adora macarrão com paçoca. Faz um molho de tomate supimpa. No boteco, na praia ou numa casinha de sapê, um Belchior, um McCartney e um reggaezin vão bem. Capricorniano com ascendência no cuscuz. Mergulha de cabeça, mas só depois de conhecer a fundura do lago. [ Ver todos os artigos ]

Comentários

Há 4 comentários para esta postagem

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

9 + 3 =

ao topo