O Contexto Maior

Por Luis Fernando Veríssimo
O ESTADO DE SÃO PAULO

Recomenda­-se a desiludidos com a atualidade em geral e com o PT em particular a procurar refúgio no Contexto Maior. O Contexto Maior não absolve, exatamente, o contexto imediato, a triste realidade de revelações e escândalos de todos os dias, mas consola. Nossa inspiração deve ser o historiador francês Fernand Braudel, que ­ principalmente no seu monumental estudo sobre as civilizações do Mediterrâneo ­ ensinou que para se entender a História é preciso concentrar-se no que ele chamava de “la longue durée”, que é outro nome para o Contexto Maior. Braudel partia do particular e do individual para o social e daí para o nacional e o generacional, se é que existe a palavra, e na sua história da região o indivíduo e seu cotidiano eram reduzidos a “poeira” (palavra dele também, que incluía até papas e reis) em contraste com a “longue durée”, o longo prazo da história verdadeira. Assim, na sua obra se encontram as minúcias da vida diária nos países do Mediterrâneo, mas compreendidas “sub specie aeternitatis”, do ponto de vista da eternidade, que é o Contexto Maior pedante.

Do ponto de vista da eternidade, nada do que está sendo revelado, em capítulos diários, sobre o propinato na Petrobrás e os partidos políticos que beneficiou deixa de ser grave, mas é impossível não ver o cerco à estatal do petróleo no Contexto Maior da velha guerra pelo seu controle, que já dura quase 70 anos, desde que a Petrobrás venceu a primeira batalha, a que lhe permitiu simplesmente existir, quando diziam que nunca se encontraria petróleo no Brasil. Mais do que em qualquer outra frente de confronto entre conservadores e progressistas e direita e esquerda no Brasil, na luta pela Petrobrás, e por tudo que ela simboliza além da exploração de uma riqueza nacional, se definem os lados com nitidez.

A punição dos responsáveis pelos desvios que enfraqueceram a estatal deve ser exemplar e todos os partidos beneficiados que se expliquem como puderem, mas que se pense sempre no Contexto Maior, no qual a sobrevivência da estatal como estatal, purgada pelo escândalo, é vital.

Fernand Braudel viveu e lecionou no Brasil. Não conheço nenhum texto dele sobre sua experiência brasileira. Seria interessante saber como ele descreveria, ou preveria, hoje, a “longue durée” da nossa história. O que significaria, na sua avaliação, o longo dia no poder do PT? O Contexto Maior tudo perdoaria ou tudo justificaria? Enfim, o Contexto Maior de todos é o Universo, que, no fim, engole todos os significados. O que também não é um consolo.

Comentários

Seja o primeiro a comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

ao topo