Corretor fanho

Por Ruy Castro

“Troquei a máquina de escrever pelo computador há 21 anos, o que provavelmente já me salvou a vida algumas vezes, mas não pense que minhas relações com ele são uma maravilha. A cada aperfeiçoamento no funcionamento da caranguejola, tenho um motivo para sobressalto, até me acostumar com a novidade e passar a dominá-la também. Uma delas é um novo e infernal corretor automático de texto.

Ao perceber que as teclas estão sendo acionadas para formar determinada palavra, o corretor, ligeiro que nem raposa, antecipa-se e termina de escrevê-la por mim. Não sei se, com isso, está apenas querendo se exibir ou se acha que errarei na grafia e oferece-se para completá-la. Até aí tudo bem. Só que, ao fazer isso, ele se atrapalha com os acentos, escreve o que não é para escrever e me obriga a teclar retrocessos e humilhá-lo com uma correção mecânica, o que faço com sádico prazer.

Se quero me referir, por exemplo, ao grande sambista do Estácio Alcebiades Barcellos, co-autor de “Agora é Cinza”, inventor do surdo e mais conhecido como Bide, ele intromete um cretiníssimo circunflexo e transforma Bide em Bidê. O arquiteto francês Le Corbusier torna-se Lê Corbusier. E Jorge Ben Jor, ex-Jorge Ben, não paga dez: o computador só o conhece como Jorge Bem ou Bem Jor.

Mas é com o til que o bicho coleciona seus fracassos mais espetaculares. Las Vegas, a cidade do jogo, passa a ser Lãs Vegas. Mao Tse-tung, o ditador chinês, se converte em Mão Tse-tung. A bonérrima Irma Alvarez, grande vedete dos anos 50 e uma das “certinhas do Lalau”, santifica-se em Irmã Alvarez. E, se tento escrever Mae West, o corretor bate o pé e insiste em metamorfoseá-la em Mãe West.

Bolas, Mae West nunca foi mãe, nem sem querer. Mas vá dizer isso a esse corretor fanho”. (FSP)

ao topo