Crispiniano na cordel bamba

O jornalista Alex de Souza noticiou em sua coluna que a governadora Wilma de Faria tratou de jogar água fria no que chamou de “especulação” sobre a saída do diretor-geral da Fundação José Augusto, Crispiniano Neto. Fato é que a reunião com o presidente da Capitania das Artes, Dácio Galvão, ocorreu. Sem motivo? Duvideodó! A gove apenas quer evitar tumulto para o processo transitório. É no que aposto.

Nos bastidores políticos, os velhos burburinhos de sempre. Alianças, acordos sendo construídos em surdina. E nisso, claro, está incluído a participação do PT na base aliada. E o amigo leitor atente para outro fato: não basta apenas ressaltar a questão da aliança política ao questionar a possível saíde de Crispiniano da FJA, mas também o desgaste político da governadora. Crispiniano está sendo duramente criticado, como também foi o ex-secretário de Saúde, o também petista Adelmaro Cavalcanti, exonerado do cargo.

Particularmente, acho que Crispiniano sai. E não por desavença com o PT, ou o secretário de Educação, Rui Pereira, também sairia. A questão é incompetência mesmo. E a propósito: o livro recém-lançado por Crispiniano, Lula na Literatura de Cordel, foi editado pelo selo Queima-Bucha, de Mossoró – que tem prestado excelente trabalho editorial ao Estado, ressalte-se – não foi editado pela Fundação José Augusto. Então, porque usar a assessoria de imprensa do órgão para divulgar seu trabalho pessoal?

Se Crispiniano tem dito em entrevistas que para ele tanto faz ficar ou sair da FJA, que tal atender os apelos dos gregos, troianos, atenienses, persas, babilônicos, fenícios e do capitão Nascimento e pedir pra sair?

Comentários

Seja o primeiro a comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

5 + sete =

ao topo