Currais Novos aprova quase 40 projetos da Lei Aldir Blanc

O movimento cultural de Currais Novos deu prova de sua força e valor após os resultados dos 10 editais da Lei Aldir Blanc, promovidos pela Fundação José Augusto. Até agora, 38 projetos foram aprovados para receber recursos federais voltados ao fomento da cultura local.

Ao todo, serão investidos mais de 200 mil reais (valor líquido) no fazer cultural de diversos trabalhadores e trabalhadoras da cultura do município.

Projetos que beneficiarão circos locais; iniciativas da diversidade voltadas para artistas lgbts e para direitos humanos; publicações de livros; atividades de formação artística em várias áreas; reconhecimento da cultura de tradição de artistas populares, blocos carnavalescos e quadrilhas juninas; protagonismo de povos de terreiro e quilombolas; salvaguarda de saberes, sabores e fazeres tradicionais, com projetos de gastronomia e artesanato locais; além de diversos artistas e coletivos que irão melhorar suas condições de trabalho, através da aquisição de materiais e equipamentos.

Esse é um momento histórico para a cultura do nosso país. Não apenas pelo reconhecimento e beneficiamento de cada trabalhador e trabalhadora da cultura, de forma individual. Mas também porque esse tipo de fomento terá desdobramentos inimagináveis no cotidiano de cada lugar.

É a realização concreta da cultura em suas três dimensões: simbólica, econômica e cidadã, descentralizando recursos e agregando mais valor ao que, independente de incentivo, acontece por natureza e por necessidade de cada um de nós, sejam produtores ou “apenas” apreciadores.

Que não seja preciso uma pandemia para que o que é nosso de direito possa ser usufruído. E que, cada vez mais, políticas públicas eficientes cheguem aos artistas no sentido de capacitá-los à saga da captação de recursos. Sobretudo, que o sentimento de coletividade perpasse todas as esferas: poder público, sociedade civil organizada, cada artista e cidadão, para que realmente os nossos bens sejam divididos de forma equânime, e que nossos direitos culturais de produção e fruição sejam garantidos.

Escritora, agente cultural, graduada em Letras e mestra em Estudos da Linguagem [ Ver todos os artigos ]

Comentários

There is 1 comment for this article

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

ao topo