Da arte contemporânea

Achei bacana o texto a seguir artista plástico e músico potiguar Luciano Rock:

“Quando falamos sobre arte várias idéias surgem em milésimos de segundos, mas uma pode se destacar em especial: a certeza de que a expressão artística que nos remete ao início da história da humanidade são as artes plásticas… Ainda estão lá as pinturas nas paredes das cavernas, nos dizendo como cassávamos, dançávamos e como sobrevivemos até hoje. Portanto, uma homenagem no dia 8 de maio é o mínimo que esses artistas merecem… Quando falamos em artista plástico num lance inconsciente, somos levados a lembrar das pinturas, das esculturas, dos desenhos, das telas, cores e pinceis.

Infelizmente algumas pessoas têm a necessidade de se auto-intitularem [WINDOWS-1252?]“artistas [WINDOWS-1252?]contemporâneos” e confundem suas expressões por não entenderem bem o que estão dizendo ou fazendo. Elas vem a cada dia estimulando a desqualificação das artes plásticas na sua essência… Essas criaturas acreditam que fazer arte contemporânea é colocar qualquer objeto num salão e, com a ajuda de comissões (indicadas por suas preferências), tal objeto ser premiado ao invés de grandes obras de artes que são produzidas por nossos pintores, desenhistas, escultores, etc.

Essas ações têm obtido o êxito esperado por aqueles que desprezam o que não é [WINDOWS-1252?]“contemporâneo” (na visão deles…): bons artistas plásticos têm se afastados dos salões por não acharem conveniente ter suas obras desaprovadas em função das obras sem nenhum teor técnico-artístico que são selecionadas, apenas pelo fato de supostamente serem [WINDOWS-1252?]“obras [WINDOWS-1252?]contemporâneas”. Como se isso já fosse uma garantia de alguma qualidade.

Antes tínhamos o Salão de Artes Plásticas, mas depois esse salão foi substituído pelo salão de artes visuais, o que deveria ser um avanço, mas isso não se deu bem assim. Se o Salão de Artes Plásticas servia a esses artistas, pois sua quantidade de obras selecionadas era basicamente representativa para os artistas da cidade, com a mudança esses artistas tiveram uma queda no espaço para suas premiações e mostras de seus trabalhos.

Na verdade, a mudança devia melhorar e não construir uma disputa desleal de espaços com os artistas plásticos. Os [WINDOWS-1252?]“artistas [WINDOWS-1252?]contemporâneos” não suportam a idéia de que as pessoas ainda preferem as boas pinturas como expressão principal das artes plásticas, então foi necessário não só mudar o nome do Salão, mas mostrar que as obras de arte agora precisam ser (e tinham que ser) contemporâneas, daí os novos premiados: pedaços de papelão, sucatas, latas, rabiscos, recorte de fotos da internet etc.

Esses objetos são obras de arte? Claro que sim, basta que você (ou uma comissão indicada) diga que é. A questão é que depois de premiados, a grande maioria desses objetos são descartados. Nem os órgãos que premiam, nem os próprios artistas querem tais obras… Alguém vai dizer que é uma [WINDOWS-1252?]“obra [WINDOWS-1252?]efêmera”… Quer dizer que é positivo? Talvez sim, mas até hoje as obras de arte – literatura, cinema, música, etc – não são efêmeras, e sim, guardadas com zelo para as futuras gerações… [WINDOWS-1252?]“mas as obras contemporâneas podem ter mudado isso, veremos no curso da [WINDOWS-1252?]história…”

Não estamos negando as belas obras contemporâneas feitas com sucatas, ou as belas intervenções artísticas dos Salões de Artes, na verdade, estamos falando de algumas pessoas que por não possuírem a menor capacidade criativa, ou não dominarem técnicas artística para transformar algum material comum em arte, se agarram aos conceitos de [WINDOWS-1252?]“arte [WINDOWS-1252?]contemporânea” para ganhar prêmios com suas influências, pois é só jogar uma coisa qualquer num Salão, ou um rabisco qualquer e dizer que é arte contemporânea. Num pensamento geral desses artistas, contestar essa versão é caretice, e fazer a velha e boa pintura sobre tela é ser um artista ultrapassado…

Para os artistas que tinham o seu Salão de Artes Plásticas, mudado para Salão de Artes Visuais, a princípio parecia ser muito [WINDOWS-1252?]“bonitinho”, mas na verdade não é! O que de fato acontece, é que o conceito de artes visuais abriu espaço para outras categorias de artes que podem participar de outros salões específicos da sua vertente. Por exemplo, as fotografias podem e devem ter o seu Salão, mas as artes plásticas não participarão. Os vídeos tem seus festivais, mas as artes plásticas não participarão. As artes cênicas tem seus festivais (onde os grupos que fazem as performances podem participar), mas as artes plásticas não participarão… No entanto, no Salão que era das Artes Plásticas, todo mundo participa e os artistas plásticos têm que dividir seu espaço com todo mundo… Resumindo, perdemos espaço para latas, rabiscos, fotos de internet e apelos sexistas!

Podemos sim ter um Grande Salão de Artes Visuais, mas para isso não precisamos dizer que a velha e boa pintura é coisa do passado, pois só os bobos não percebem que as pinturas se renovam a cada dia.

Para construirmos um Salão de Artes Visuais, precisamos selecionar as obras por categorias. Se antes eram 30 obras para os artistas plásticos, devemos aumentar o número para contemplar outras categorias que surgiram, e não eliminar o espaço que que já existia.

No formato de Salão de Artes que elaborei, as seleções são realizadas e apresentadas por categorias e a comissão de seleção, eleita pelos próprios artistas. A eleição acontece de forma que a comissão represente fidelidade a categoria e não as idéias dos gestores, evitando tendências para uma vertente artística, de maneira que não seja a intenção eliminar determinadas expressões, e sim, somar a arte no tempo e no espaço… Cada sala apresentará uma categoria, portanto, as expressões contemporâneas mais inusitadas serão selecionadas entre si, ganhando seu espaço que também é legítimo nas artes.

Infelizmente o formato do Salão que elaborei não teve financiamento para ser realizado, mas, como ficou disponível na internet, vi alguns elementos desse formato sendo utilizados em outros salões e mostras e, quem sabe, qualquer dia este formato será executado… Veja o projeto em www.lucianorock.com/projetos”.

Comentários

Seja o primeiro a comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

3 × três =

ao topo