Da dignidade da Política

Caros amigos:

Na primeira edição brasileira do grande livro “Entre o passado e o futuro”, de Hannah Arendt (foto), Celso Lafer, que foi aluno dela nos EEUU, escreveu um belo prefácio: “A dignidade da Política”. Posteriormente, foi publicada uma coletânea de Arendt com o título “Da dignidade da Política”.

Relembrei desse título hoje porque tenho visto muitos textos em jornais, revistas e blogs brasileiros que tratam a Política como puro antro, perdendo de vista tudo que ela poderia ser: convívio entre seres humanos que se vêem como iguais, apesar das diferenças; possibilidade de encaminhar as divergências na sociedade através do argumento e do respeito recíproco, a partir de decisões da maioria; a negociação que se paute por valores públicos, e não por barganhas monetárias.

Sei que a Política se encontra muito degradada, – here, there, everywhere, como na antiga e bonita canção dos Beatles. Mas, retomando uma magnífica terminologia de Arendt, não podemos negligenciar nosso tesouro, abrir mão da política em nome de bravatas, pancadaria, macheza pra inglês ver e elogio da violência escancarada (esbofetear adversários, prelúdio para a restauração da tortura). Discordar radicalmente de Micarla, Lula ou FHC – para pensarmos em espectros brasileiros diversificados – não pode jamais se confundir com ofensas pessoais nem ameaças físicas a eles ou a seus aliados.
É possível que a Política tenha vilipendiado seu tesouro. Mas o tesouro não é dela, os sujeitos da Política somos nós, o tesouro é nosso. Não podemos permitir que essa dignidade se vá. O preço que pagaríamos seria nosso próprio vilipêndio.

Abraços:

Nasci em Natal (1950). Vivo em São Paulo desde 1970. Estudei História e Artes Visuais. Escrevo sobre História (Imprensa, Artes Visuais, Cinema Literatura, Ensino). Traduzo poemas e letras de canções (do inglês e do francês). Publiquei lvros pelas editoras Brasiliense, Marco Zero, Papirus, Paz e Terra, Perspectiva, EDUFRN e EDUFRJ. Canto música popular. Nado e malho [ Ver todos os artigos ]

ao topo