Da Mata e Dali

Amigos:

Li o bonito texto de João da Mata sobre Salvador Dali. Ele é oportuno por nos fazer repensar a obra desse importante pintor. Às vezes, Dali é valorizado como um artista dotado de excepcional técnica, num sentido clássico, e só. Sim, não foi à à toa que ele viu e estudou El Greco e Velásquez desde moleque. Mas é preciso perceber como Dali brincava com os rigores clássicos a partir das lições cubistas: rimas plásticas, mudanças de perspectivas, quem vê o quê?
Assisti, em Madri, a uma exposição em homenagem ao centenário de nascimento de Luís Buñuel. Havia originais de juventude de Dali. Mais que impressionantes, mais que excepcionais, um traço e uma capacidade inventiva extremamente raros.

Infelizmente, a produção dele a partir dos anos 70 registra uma queda qualitativa impressionante. O mercado é destrutivo do vôo imaginário. Mas há dezenas ou mais de trabalhos anteriores que excedem o que se pode esperar de um grande artista.

Abraços:

Nasci em Natal (1950). Vivo em São Paulo desde 1970. Estudei História e Artes Visuais. Escrevo sobre História (Imprensa, Artes Visuais, Cinema Literatura, Ensino). Traduzo poemas e letras de canções (do inglês e do francês). Publiquei lvros pelas editoras Brasiliense, Marco Zero, Papirus, Paz e Terra, Perspectiva, EDUFRN e EDUFRJ. Canto música popular. Nado e malho [ Ver todos os artigos ]

ao topo