Da Redinha, da maioridade penal e um alento em Bukowski

Um post em formato de diário. De uma semana corrida e desesperançosa. Na segunda, aproveitei a facultatividade do expediente para adiantar alguns depoimentos na Redinha, para o livro que lançarei até o fim do ano.

A Redinha é retrato não só do descaso. É também do aparthaid social. Praias mais badaladas do Sul Maravilha do litoral potiguar têm lá alguma estrutura e mais prestígio do poder público.

Na Redinha dos pescadores nativos, da gente simples e das memórias de um passado mais glorioso, o abandono, os gatos e o cotidiano se arrastam em qualquer quadrante da praia.

Encontrei Castilho, ex-goleiro do América, boêmio conhecido e um habituê da “praia bonita”, como dizia Cascudo. Ele guardava fotos comparativas entre a Redinha e outros pontos de Natal. Nelas, uma parada de ônibus modernosa, e na Redinha, uma “parada” construída por nativos, feita de palhas de coqueiro. No Litoral Maravilha, banheiros químicos, enquanto na Redinha, um ponto sujo e mal cheiroso com um dizer: “Mijão a 1 real”.

Sem opções de lazer, de esporte, de trabalho, de educação adequada, se formam por ali também os jovens de 16 e 17 anos que assaltam, que matam, que “se perdem na vida”.

São os jovens vítimas da vibração hipócrita da politicagem que aprovou ontem à noite, após manobra quase criminosa, a dita maioridade penal. São os jovens vítimas do descaso de muitos políticos corruptos, maiores de idade e raramente sujeitos à penalidade.

Chego em casa e começo a ler mais um petardo de Bukowski, ‘Factótum’. E penso, com alguma convicção, que nesses tempos é melhor esquecer as decepções e encarar a selva de pedra como se fosse mais um animal, como se fizesse parte desse todo imundo.

FOTO: CLÁUDIO ABDON

Jornalista por opção, Pai apaixonado. Adora macarrão com paçoca. Faz um molho de tomate supimpa. No boteco, na praia ou numa casinha de sapê, um Belchior, um McCartney e um reggaezin vão bem. Capricorniano com ascendência no cuscuz. Mergulha de cabeça, mas só depois de conhecer a fundura do lago. [ Ver todos os artigos ]

Comentários

Seja o primeiro a comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

ao topo