De impressões variadas

Texto pra registrar impressões de um blogueiro desatento, mas que pesca aqui e ali algumas veleidades do momento. E talvez sejam os tempos da estação veraneio e os arroubos de superficialidades a inspirar os atores da nossa dileta Câmara Municipal de Natal. Enquanto esperam (eles e nós) o julgamento da tal Operação Impacto, nossos edis despejam seu precioso tempo para propor projetos como o de conferir à dublê de Ivete Sangalo, a baiana Cláudia Leite, o título de cidadã natalense. Bravo! Idéia genial do vereador Enildo Alves. A outra aberração vem do boxeador Adenúbio Melo e o projeto de lei que regulamenta o acesso às lan houses. Isso mesmo: o lutador quer a exigência de apresentação de requerimento dos pais para adentrar aos estabelecimentos. Parece brincadeira.

E para amenizar as barbáries, o clima natalino também pega carona e já arrefece corações. A decoração já começa a ser discutida. Fala-se na maior árvore iluminada do Brasil e, quiçá, do mundo. O titular da Semsur, Raniere Barbosa, tem procurado pesquisar o assunto para atestar com certeza. Será uma árvores de 100 metros, na entrada da cidade. E outra de 60 metros na Zona Norte. E a idéia é deixar permanente, mesmo quando o capitalista Papai Noel fugir com suas renas. O secretário tem feito um trabalho excelente no curto período de 10 meses. Foram quase 100 praças reformadas ou construídas. Um marco para qualquer gestão. Já se fala em pré-candidatura do moço à prefeitura.

Aliás, o discurso político de que só se fala em sucessão em 2008 já está se esgotando. Políticos já começam a soltar as famosas deixas de que serão candidatos ou descartarem seus nomes. É o momento para jornalistas aproveitarem. O ex-senador Geraldo Melo já avisou que está fora do páreo. Mas seu apoio ainda está indefinido. Outro que já lanço nome, indiretamente, no estilo “pra bom entendedor meia palavra basta”, foi o ex-secretário petista Rui Pereira. Mas briga mesmo fica pra Mineiro e Fátima. E ninguém tenha dúvida, nosso próximo representante será a borboletinha, Micarla de Sousa. E eu vou embora pra Pasárgada!

E lendo os jornais percebo a volta com todo o fôlego do jornalista Franklin Jorge, – acredito eu, um dos maiores intelectuais deste estado. Franklin andava sumido, talvez cansado em tanto escrever e nada publicar. Sem apoio, ainda guarda mais de 40 livros escritos a espera de serem publicados. Soube que ira jogar na praça cinco até o fim do ano. Assim esperamos.

E por falar em livro, a Feira do Livro de Mossoró trouxe discussões, palestras, debates e convidados excelentes e nem assim a mídia impressa de cultura dos jornais de Mossoró conseguiu acordar seus cadernos para o fato. É uma lástima. Mossoró é hoje candidata à capital nacional da cultura, tem nomes, companhias, grupos, autos dos mais expressivos do estado e a mídia cultural dos jornais não corresponde. Uma pena, mesmo. No mais é uma estrutura de carnatal sendo montada. E já escuto o barulhinho “todo mundo pra direita”, “tira o pé do chão”, “que galera é essa, mermão”. Sei não, viu? É isso.

Acredito que música, literatura e esporte são ansiolíticos dos mais eficazes; que está na ralé, nos esquisitos e incompletos a faceta mais interessante da humanidade. [ Ver todos os artigos ]

Comments

Be the first to comment on this article

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Go to TOP