De médicos e poetas, o Beco da Lama tem todos eles e muito mais

Fincado num istmo cultural que separa a Ribeira, o Rio Potengi e as adjacências da cidade do Natal, o Beco da Lama sempre foi um espaço em que os destinos se abraçam.

Esse bioma boêmio impregnado de profusões artísticas, rege-se numa residência diária de pequenos e médios comerciantes, diversos bares e restaurantes, edifícios residenciais e também os churrasquinhos “fica em pé” com seus isopores abarrotados de cervejas em latas.

Nesse ambiente promissor de sons, palavras e tim-tins agradáveis de líquidos etílicos e repositores de enzimas, circulam médicos e profissionais afins, distribuindo conversas, receitas da alma e um diálogo efervescente com poetas, mulheres, homens, artistas cotidianos do Beco.

O Beco da Lama e suas adjacências, ruas que testemunharam o berço natalício de Jorge Fernandes,   tem também, no seu perímetro monumental, o Instituto Histórico e Geográfico do RN, a Catedral Metropolitana e, na Praça André de Albuquerque, também conhecida como Praça Vermelha,  o Marco da cidade do Natal.  É nesse espaço que trafegaram –  e ainda hoje circulam – poetas, músicos, intelectuais, jornalistas, educadores e os médicos observadores dessa vida em alternância.

O Beco vive hoje a junção inerente do seu passado, glorioso, alvissareiro, histórico e carente de preservação, indo ao encontro de um Beco mais performático, com visual mais artístico e arrebatado de insurgências boêmias a dialogar com o reviver cultural.

Essa necessidade perimetral de encontros, festivais, namoros e trocas de valores,  promovem essa simbiose cada vez mais terna, convivências de um extremo ao outro, características cada vez mais presentes no esplendor do Beco.

Sendo assim, essas casas e calçadas pulsantes do Beco da Lama reúnem os médicos preservadores da tolerância, os poetas e os escritores,  vozes de um lirismo plural, mas que podem, todos eles, ser considerados também  como os observadores de uma realidade cada vez mais dura, mas esperançosa por um novo amanhã…

Comentários

Há 2 comentários para esta postagem

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

ao topo