Deivid é o bola na trave

Não tem explicação o gol perdido pelo atacante Deivid do Flamengo sozinho em frente à trave do Vasco. O Flamengo perdeu e toda a torcida chorou. Toda a torcida do Flamengo é sinônimo do mundo (quase) inteiro.

A área da meta do esporte mais popular do mundo é de mais de 17 metros quadrado. O goleiro tava do outro lado e o gol completamente aberto. A bola chega aos pés de Deivid e ele toca com o calcanhar na trave inimiga. Virou ídolo dos vascaínos. Foi aplaudido por toda a torcida do time rival.

Não tem explicação. Futebol não tem lógica. Ou sua lógica não é linear. Tinha 17 m2 para a bola entrar e ela toca nos 12 cm de espessura da trave. O Deivid estava na pequena área em baixo do gol.

Todo o Brasil comenta e ninguém consegue uma explicação. Alguns dizem que não era dia de jogo. Era de cinzas e tinha que jejuar. Foi isso que o Deivid fez. Sem fome de gol perdeu a partida. Em dois rebotes o time do Vasco fez dois gols. Toda a nação rubro-negra lamenta o ocorrido. Só pode ser castigo.

Em vez do baile no maracanã do samba de Wilson Batista, o flamengo jogou foi bola na trave. Fizeram mandinga na trave do time cruzmaltino. Melhor rezar e jogar as cinzas no corpo rubro de dor e preto de pecados.

Veja aqui o não-gol:

Físico, poeta e professor [ Ver todos os artigos ]

Comentários

Há 3 comentários para esta postagem
  1. Daniel Menezes 23 de fevereiro de 2012 22:00

    Texto legal…

    A foto também, rs. Só não entendi a ligação da foto com o texto.

    • Tácito Costa 23 de fevereiro de 2012 22:28

      rsrsrs… quis passar a ideia de que é possível as torcidas conviverem em paz.

  2. Anchieta Rolim 23 de fevereiro de 2012 18:12

    João da Mata, é justamente isso que fascina no futebol, o imprevisível.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

ao topo