Demétrio Diniz lança mais um excelente livro de contos: “Traição e morte na Fortaleza da Barra”

“Carregamos no rosto o que levamos de uma terra”. (“Fera D’Alma”, Herta Müller)

Poucas vezes em sua história, a literatura potiguar presenciou uma mudança de curso literário tão bem sucedida, como a que ocorreu com o escritor Demétrio Diniz, que depois de quatro elogiados livros de poesia (Passarás, Haveres, Ferrovia e Beleza Distante), enveredou pela ficção e chega ao seu quarto livro de contos, “Traição e morte na Fortaleza da Barra”.

Uma obra que, pelos temas abordados, modo de narrar e linguagem utilizada guarda semelhanças com as três anteriores, “Sob o Céu de Natal”, “Idas e Vindas de São Serapião”, e “O amor fora de época de Felipe Flores”, mas supera-as em refinamento literário, revelando um escritor maduro e senhor do seu ofício.

demetrio1

Neste novo livro estão os contos baseados na história, como “Traição e morte na Fortaleza da Barra” e “A morte do presidente Parrudo”, que resgatam episódios importantes passados em Natal, e “O Exilado”, que aborda um episódio ocorrido no exílio, com o ex-presidente brasileiro João Goulart.

“É verdade, a memória em muitos casos funciona como um chicote com pontas de aço sobre nossas costas, e não é nada fácil se submeter a essa impiedade”

Retornam também, retrabalhadas, lembranças que o tempo não apagou como em “Cartazes antigos”, “O irmão Dió”, “O avô José Vieira”, “O tio José Vieira”, “Aline” e “Uma noite de carnaval” e aqueles qudemetrio2e somente um viajante atento e sensível é capaz de produzir, “Ao pé da cordilheira” e “Tarde em Roma”.

Em todas as narrativas, o humano como princípio e fim. Sutis traços autobiográficos aqui e ali. Usando para isso uma linguagem singular e poética, heranças da trajetória como poeta. E tanto na poesia quanto na prosa, a busca pela concisão, pela frase certeira, a palavra exata. Nem mais, nem menos, o que pressupõe uma exigente e paciente carpintaria literária. Graças a tudo isso, com “Traição e morte na Fortaleza da Barra”, Demétrio Diniz alcança um patamar que o situa hoje entre os nossos mais importantes escritores.

Recomendo demais a leitura. Sou suspeito, devido a amizade estreita que mantenho com esse cabra da peste há quase 30 anos, mas vocês podem tirar suas conclusões comprando o livro nas livrarias da cidade em breve. O autor ainda não decidiu se haverá lançamento.

Comentários

There is 1 comment for this article

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

12 − doze =

ao topo