Desague

Por Tamara Martins

As águas de março me abraçam e dizem: segue teu percurso de rio, sorrindo. Desagua em abril.

[Dizem que é grande o poder das águas de São José. Sendo de família angicana, preciso conferi.]

É promessa para pagar, feijão para plantar. Preces atendidas. Céu cinza, água na cabeça dos que entoam hinos religiosos e bebem as lágrimas que caem do céu.

Comentários

Há 2 comentários para esta postagem
  1. Tamara Martins 28 de março de 2011 8:01

    Obrigada, Ana.

    A religiosidade move nosso povo, né?
    É muita fé.
    Outro abraço terno.

  2. Anne Guimarães 25 de março de 2011 15:54

    Tamara…
    Achei muito bonito o seu poema.
    Retrato do nosso povo nordestino, poeticamente simples,religiosamente calmo na beleza de extrair da natureza o que ela tem de melhor, sempre.
    Um abraço terno.
    🙂

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

ao topo