Dez anos

Por Inácio Araújo
UOL

“Chico Xavier”, “Nosso Lar”, “A Mulher Invisível”, “Tropa de Elite” (1 e 2), “Bruna Surfistinha”, “VIPs”…

Quem diria, há alguns, que os filmes brasileiros iriam se destacar tanto assim, na disputa insana por espaço nas telas?

Essa e outras ideias me veem à cabeça a respeito da mostra “Cinema Brasileiro: Anos 2000, 10 Questões”, que começa amanhã no CCBB de São Paulo e depois vai ao do Rio.

Convém lembrar, porém, que isso não é inédito. Sempre que aumenta a renda, sempre que cresce a autoestima dos brasileiros, a bilheteria dos filmes brasileiros também cresce.

Isso não deve diminuir os méritos de quem acertou na mosca ao tatear o interesse do espectador, aquilo que o leva a sair de casa e procurar um cinema e comprar um ingresso.

Claro que a Globo tem uma parte enorme nisso. Mas a Globo, convém lembrar, ganha todas: nas eleições, no futebol. Por que não ganharia no cinema?

Pessoalmente, devo deixar claro que esse não é o cinema dos meus sonhos. Mas me pergunto o que, no cinema do mundo, é hoje “dos meus sonhos”.

Este ano especialmente está de doer.

* * *

E, por uma vez, acho que pela primeira vez o público conhece a maior parte dos filmes que concorrem ao Grande Prêmio do Cinema Brasileiro.

Se quiserem ter audiência na televisão e todo esse lero-lero convém que os filmes sejam conhecidos.

Agora, esse nome turfístico que inventaram não dá pé, por mais Tropas e Chicos que apareçam.

É preciso ir atrás de um cara de marketing que dê nome, cara, apelido a esse troféu, que o torne minimamente acessível ao público.

* * *

Para discutir:

Esse cinema que dá público também dá dinheiro?

Ou seja, cobre seus custos?

Convém fazer o cálculo ou esquecer do assunto?

O assunto, claro, chama-se subsídios.

A presidente chamou as mulheres cineastas para um convescote, há alguns dias.

Bem, não entendo muito esse clube da Luluzinha: o que têm os homens de menos, afinal?

O que Tizuka Yamasaki faz que qualquer homem sem talento não seja capaz de fazer?

Mas Dilma Rousseff teve bom gosto: projetou ”É Proibido Fumar”.

É importante ter uma presidente que não se deixe enrolar nesses assuntos, que saiba distinguir filmes bons de filmes ruins.

E, convém não esquecer, ela prometeu encher o Brasil de cinemas.

Não é uma reivindicação que deve ser vista como algo corporativo, mas uma atenção à cultura, à necessidade integrar as artes e as letras à nossa vida normal: os governos se preocupam com o progresso material dos povos, o que é importante, mas sobretudo no Brasil parece que o progresso espiritual não tem grande importância.

Comentários

Seja o primeiro a comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

ao topo