Dia Internacional do Livro Infantil

Hoje, 02 de abril, é o Dia Internacional do Livro Infantil, uma homenagem ao escritor dinamarquês Hans Christian Andersen (1805-1875), que tão bem soube adaptar histórias e fábulas para uma linguagem acessível a todos.

Leia Artigo: “Literatura infantil serve para quê?”

Quem nunca se encantou com O patinho feio, A pequena sereia, A rainha da neve, A roupa nova do rei, e tantos outros livros assim?

Os contos de Andersen serviram para embalar de magia e encanto o imaginário infantil no mundo inteiro e até hoje continuam a seduzir também “gente grande”.

A literatura infantil brasileira conta com autores e autoras de extraordinária qualidade, e também com excelentes ilustradores.

Temos, no Brasil, três distinções conseguidas com o prêmio Hans Christian Andersen, considerado o Nobel da Literatura Infantil: Ana Maria Machado, Lygia Bojunga Nunes e o autor-ilustrador Roger Mello, o único latino-americano a conseguir tal prêmio por trabalhos de ilustração.

Esses autores mencionados, felizmente, ainda estão em franca atividade dentro do gênero. Tive o privilégio de conhecê-los pessoalmente, aqui em Natal. 

Outro nome importante, considerado o Pai da Literatura Infantil, é Charles Perrault (1628-1703), escritor e poeta francês do século XVII, que praticamente deu as bases para o gênero literário conhecido como “contos de fadas”.

Histórias como Cinderela, A bela adormecida no bosque, O pequeno polegar, O gato de botas, entre outras, vêm contribuindo para o prazer da leitura entre a criançada.

Christian Andersen teve infância pobre, morava no mesmo quarto com pai, mãe e irmã,; aos 11 anos, abandonou a escola.

Alfabetização precoce

Lembro-me que recebi de presente da minha professora do antigo curso primário, lá em Minas Gerais, alguns livros infantis. Dentre eles, os citados O Pequeno Polegar e o Gato de Botas.

Foi um momento inesquecível na minha vida, voltar para casa com esses livros das edições Melhoramentos, capa azul, debaixo do braço.

Naquela época, eu era um dos poucos meninos da minha rua que sabiam ler, pois fui alfabetizado aos seis anos. Importante lembrar que nos anos 1950 as crianças só podiam ingressar na escola a partir dos sete anos.

Então, eu era um privilegiado. À noite, reunia meus amiguinhos na porta de casa e ficava, à luz da lua, contando para eles as histórias que havia lido.

Eram momentos de intensa alegria, pois eu me lembro que nossos olhos brilhavam com a magia daquelas personagens.

Além dos autores brasileiros que receberam o prêmio Hans Christian Andersen, dentre os que já foram para as estrelas, destaco as poetas Cecília Meireles e Cora Coralina, Tatiana Belinky, José Paulo Paes e a bem-humorada Sylvia Orthof.

Cito ainda Bartolomeu Campos de Queirós (autor do premiadíssimo livro O olho de vidro do meu avô, entre outros), Elias José (autor de Caixa Mágica de Surpresa, dentre uma centena de livros), Ângela Lago (ABC Doido, Tampinha, entre os demais). 

Eles estiveram em Natal para participar do Programa Nacional de Incentivo à Leitura – PROLER/RN, ocasião em que os conheci pessoalmente, sendo que Elias José eu considero como  padrinho literário.  

Dia Internacional do Livro InfantilAutores

Ainda em atividade, cito alguns: Ziraldo (homenageado em 2018, aos 85 anos, pela Fundação Nacional do Livro Infantil e Juvenil – FNLIJ), Ciça, Eva Furnari, Mariângela Haddad (Prêmio Jabuti, que ilustrou o meu livro infantil Vaca amarela pulou a janela), Marilda Castanha, Celso Sisto, Roseana Murray, Marina Colasanti, Ruth Rocha, Sergio Caparelli, Pedro Bandeira, Leo Cunha, Ninfa Parreiras, Lenice Gomes, Sonia Junqueira, André Neves, Joel Rufino, Ricardo Azevedo, Eliardo França (que ilustrou meu livro infantil A marreca de Rebeca), Mary França. 

Aqui no Rio Grande do Norte existe um razoável número de autores e autoras que também escrevem para o público infantil.

Posso citar alguns deles, como Salizete Freire (que chegou a ser cogitada para o Prêmio Jabuti), Diógenes da Cunha Lima, Jania Souza, Clotilde Tavares, Antônio Francisco, Eliete Marry, Clemilson Sena, José Acaci, Marcos Medeiros, Juliano Freire, Júnior Dalberto, Drika Duarte, Clécia Santos, Celeste Borges, Ana Cláudia Trigueiro, Tereza Custódio, Kinha Costa (potiguar que hoje mora na África do Sul) e Paula Belmino, dentre tantos outros.

Portanto, hoje é dia de celebrar esse importante segmento da literatura que, a cada dia, se torna mais forte e mais presente no cenário mundial, para a grande alegria das crianças e de todos os adultos que ainda têm o prazer de alimentar com leitura a sua criança interior.    

Jornalista, escritor e poeta. [ Ver todos os artigos ]

Comentários

Há 6 comentários para esta postagem

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

18 − 16 =

ao topo