DIANTE DO ABORTO (mulheres, homens, crianças)

A FSP noticiou aprovação preliminar de mudanças na legislação sobre aborto, incluindo legalização a partir de laudo médico ou psicológico sobre a mulher não ter condições de arcar com a maternidade.

Essa notícia me preocupa sob vários ângulos.

Ao evocar laudo médico ou psicológico sobre A MULHER, o legislador trata a gestação como problema dela. Os homens, já tão irresponsáveis em grande número, são ainda mais irresponsabilizados – ou têm a responsabilidade pela gestação sequestrada pela lei. A criança é apenas ignorada, tratada como objeto não-identificado.

As questões éticas e físicas do aborto são legitimadas a partir da voz científica (médico e psicólogo), deixando de lado dimensões outras de natureza social.

O jornal sugere a abertura para considerar toda mulher pobre como sem condições para arcar com a maternidade. O tema seria importante não como base para abortar e sim como ponto de partida para discutir a pobreza e o direito à maternidade (à paternidade e à vida da criança também) a partir de sua superação.

Sim, são questoes muito complexas e polêmicas. Seria bom pensarmos juntos sobre isso tudo.

Nasci em Natal (1950). Vivo em São Paulo desde 1970. Estudei História e Artes Visuais. Escrevo sobre História (Imprensa, Artes Visuais, Cinema Literatura, Ensino). Traduzo poemas e letras de canções (do inglês e do francês). Publiquei lvros pelas editoras Brasiliense, Marco Zero, Papirus, Paz e Terra, Perspectiva, EDUFRN e EDUFRJ. Canto música popular. Nado e malho [ Ver todos os artigos ]

Comentários

Seja o primeiro a comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

ao topo