Dilma não cita João Guimarães Rosa

No belo discurso de posse da primeira presidenta eleita do Brasil, Dilma Rousseff, ela cita dois belos trechos do escritor mineiro João Guimarães Rosa, mas não menciona o autor. Em seu discurso ela diz: “segundo um poeta da minha terra”

“O que tem de ser tem muita força, tem uma força enorme”

“O correr de vida embrulha tudo. A vida é assim: esquenta e esfria. Aperta e dão afrouxa Sossega e depois desinquieta. O que ela que da gente é coragem”

Ora, Guimarães Rosa foi um poeta bissexto e escreveu um único livro de poesia: “Magma” (1936 ), editado pela Nova Fronteira com ilustrações de Poty ,em 1997

As frases citadas por Dilma são do livro “Grande Sertão: Vereda”, e o autor não podia ter sido omitido por quem redigiu o discurso.

O maior patrimônio de um povo é a sua cultura, que deve ser preservada. A omissão da autoria do autor de uma frase ou trecho é um grave defeito, muito comum nos discursos dos políticos e outros.

Físico, poeta e professor [ Ver todos os artigos ]

Comentários

Há 6 comentários para esta postagem
  1. Luiz Antônio Pereira 22 de dezembro de 2015 14:39

    Não me espanta nada vindo dessa fonte de pérolas chamada presidenta.
    Mas se todo autor deve ser mencionado ao usar de suas crias, tanto mais em se tratando de Guima. Não haverá outro tão sublime, creio eu, a nascer nessas terras que hoje habitamos.

  2. João da Mata 3 de janeiro de 2015 12:54

    Maria Cecília você concorda com o quê? Lúcio Flávio, discordo da sua opinião de que tudo foi dito pelos gregos. Eles começaram a ciência, mas muita coisa foi feita após. Foi reinventada. Guimarães Rosa foi um grande criador.

  3. João da Mata 3 de janeiro de 2011 15:31

    Caro João,

    Seria interessante você (um bibliófilo tarado (termo respeitoso) pesquisar
    quantos autores fizeram citações com o mesmo sentido.

    Senão vejamos. Essa citação “O que tem de ser tem muita força, tem uma força enorme” do João Guimarães Rosa aparece com outras redações.

    1 – É impressionante a força que as coisas têm, quando precisam acontecer.

    2 – O que tem que ser, será.

    3 – Quando uma coisa é para ser, vai ser.

    etc, etc, etc,

    Talvez essa citação já tenha sido feita por algum filósofo grego. Costumo
    dizer que em matéria de filosofia e ciências depois dos gregos pouco mais
    foi dito.

    Um abraço e um feliz 2011.

    Lucio Flavio

  4. João da Mata 2 de janeiro de 2011 10:14

    Amigo Marcos,

    Tambem não me incomoda a denominação de poeta associado a Guimarães Rosa. Poeta de uma terra de tantos poetas. Muito importante mencionar o autor.

    Enquanto isso vi na Cooperativa Cultural uma bela edição em capa dura dos “Hinos Homéricos”

    Sinta-se fortemente abraçado

    Feliz ano novo

  5. Marcos Silva 2 de janeiro de 2011 10:07

    João:

    Seria melhor que o nome de Guimarães Rosa fosse citado. Mas a classificação “poeta” não me incomoda: faz parte de uma simplificação retórica e também corresponde ao cânon aristotélico – poética, mundo do que ainda não existia e passou a existir através da arte.
    De qualquer maneira, antes Guimarães Rosa sem o nome registrado que Paulo Coelho, indicado ou não, não é?
    PS – vi títulos de Coelho em bancas de livros na Grécia, saudades de Homero.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

ao topo