Dilma não cita João Guimarães Rosa

No belo discurso de posse da primeira presidenta eleita do Brasil, Dilma Rousseff, ela cita dois belos trechos do escritor mineiro João Guimarães Rosa, mas não menciona o autor. Em seu discurso ela diz: “segundo um poeta da minha terra”

“O que tem de ser tem muita força, tem uma força enorme”

“O correr de vida embrulha tudo. A vida é assim: esquenta e esfria. Aperta e dão afrouxa Sossega e depois desinquieta. O que ela que da gente é coragem”

Ora, Guimarães Rosa foi um poeta bissexto e escreveu um único livro de poesia: “Magma” (1936 ), editado pela Nova Fronteira com ilustrações de Poty ,em 1997

As frases citadas por Dilma são do livro “Grande Sertão: Vereda”, e o autor não podia ter sido omitido por quem redigiu o discurso.

O maior patrimônio de um povo é a sua cultura, que deve ser preservada. A omissão da autoria do autor de uma frase ou trecho é um grave defeito, muito comum nos discursos dos políticos e outros.

Físico, poeta e professor [ Ver todos os artigos ]

Comentários

Há 6 comentários para esta postagem

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

dezenove + nove =

ao topo