Dirceu foi condenado sem provas, diz Ives Gandra

Por Mônica Bergamo

O ex-ministro José Dirceu foi condenado sem provas. A teoria do domínio do fato foi adotada de forma inédita pelo STF (Supremo Tribunal Federal) para condená-lo.

aqui

Comments

There are 2 comments for this article
  1. Anchieta Rolim 23 de Setembro de 2013 9:12

    Eu conheço um politico que até pouco tempo, tinha um salário de mais ou menos uns R$ 4.000,00 (antes disso trabalhava em uma empresa onde ganhava apenas dois salários mínimos e sua esposa não trabalhava ).Com esse salário, comprou uns três automóveis, um deles, no valor aproximado de R$ 68.000,00. Reformou sua casa e construiu outra muito melhor, comprou um apartamento e assim por diante… Tudo isso, com apenas uns dois anos no cargo público em que ocupava. Certa vez, foi questionado por um colega meu, se esses investimentos eram do seu belo salário. Ele disse que sim! e foi novamente questionado:Como assim? Eu ganho mais que você e não posso comprar nem se quer um carro desses .E ele retrucou: Você está insinuando algo? Posso processá-lo e você vai ter que provar que meus investimentos são ilícitos. Pois é…E assim, são todos inocentes. Raras as exceções.

  2. Marcos Silva
    Marcos Silva 23 de Setembro de 2013 9:28

    Sem provas é complicado, não é?
    Tenho amigos queridos argumentando que os pagamentos a políticos, por voto, em moeda corrente, são corriqueiros. É provável que sim, já ouvi referências a isso nas esferas federal, estadual e municipal, atingindo diferentes partidos. Não é motivo para serem considerados normais nem legais. Havendo provas, houve delito. Vale até a pena enfatizar delitos semelhantes (mensalão mineiro, privatizações fernandistas etc.) para serem julgados.
    O príncipe precisa cumprir a lei que o garante.
    O PT, no governo, virou partido da ordem. O problema não é só dele, claro, é da ordem que ele passou a representar. Mas o PT (nem nenhum partido) não pode ser situado acima da lei. Fora da lei, piora muito!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Go to TOP