Do adeus silencioso

Quis segurar o crepúsculo de hoje. Ainda temo a noite, a volta pra casa. A solidão costumeira e solidária hoje é tormenta. Tento esquecer a data tão festejada em anos anteriores: Aniversários comemorados de maneira simples, como foi meu pai. Em 13 de janeiro completa um ano sem ele. Mais triste é a lembrança sem adeus, sem uma palavra sequer. O câncer maldito entregou ao meu pai seu destino mais indesejado. Morreu sem voz, sem lágrimas, sem me ouvir, sem me ver. Talvez um minuto de pressa e veria seu último suspiro. A dor daquela ausência me persegue; é companhia rotineira. Hoje seriam 62 anos vividos. De uma vida que poderia ainda ter sido, restaram mais algumas horas deste dia silencioso, alguns minutos de lágrimas e minha eterna saudade.

Acredito que música, literatura e esporte são ansiolíticos dos mais eficazes; que está na ralé, nos esquisitos e incompletos a faceta mais interessante da humanidade. [ Ver todos os artigos ]

Comments

Be the first to comment on this article

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Go to TOP