Do conto de Carlão e das poesias, na Preá

Aproveito cada intervalo de tempo para degustar mais uma nesga de página da Preá. Hoje li o conto de don Carlon, ‘A cidade escura’. Arretado. Engraçado que a descrição inicial de uma cidade erma e de um povoado isento da influência de outras civilizações me remeteu a um livro de ficção científica recomendado pelo Bob Filho, Alex de Souza, chamado Os Despossuídos, de Úrsula K. Le Guin.

Também li, com mais calma, as 35 poesias recomendadas por jornalistas, poetas e escritores. Penso que poesia é arrebatamento. Não sou poeta. Não compro livros de poesia. Não leio poesia frequentemente. E leio sempre que me é apresentada facilmente (quando recebo livros, revistas, aqui no SP, etc). Sem o refinamento dos poetas, desdenho para poesias tecnicamente bem elaboradas. Leio de uma talagada e se ela me pega de jeito, pronto; é ela! Se uma dondoca se maqueia com produtos sofisticados, de certo chamará atenção de outra dondoca refinada e passará despercebida aos insensíveis machos (metáfora chula).

Percebe-se nas escolhas poesias mais refinadas, e que pouco me provocaram ou me sensiblizaram. Até estranhei algumas escolhas. Mas gosto é abstrato, embora a qualidade tenha seu parâmetro mínimo flutuante. Gostei mais das escolhas de Adriano de Sousa (Jorge Fernandes), de Marcos Silva (Sanderson Negreiros), de Mário Ivo (Moacy Cirne), de Jarbas Martins (Racine Santos) e de Iara Carvalho (Theo G. Alves) – este último, nunca ouvi falar. Para ficar em cinco escolhas. Mas a proposta do editor foi louvável. Me fosse pedido, escolheria uma de Sanderson Negreiros, da qual esqueci o nome; precisaria procurar aqui, mas que é toda metaforizada em comparações de imagens. Gosto muito da poesia de Sanderson, e de Adriano, também. Para ficar no último livro que li com mais atenção, O Teorema da Feira, de Lívio, também foi uma grata surpresa.

Acredito que música, literatura e esporte são ansiolíticos dos mais eficazes; que está na ralé, nos esquisitos e incompletos a faceta mais interessante da humanidade. [ Ver todos os artigos ]

Comments

Be the first to comment on this article

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Go to TOP