Do futuro do sindicato

Sem o “prezado”, Marcos. Puxe a cadeira e vamu tomar uma (rs).

E tem essa de ser jornalista pra comentar não. A atividade é conhecida e a situação dos profissionais também. Além do mais, a medida afeta a todos, posto que a ‘catiguria’ é dita formadora de opinião.

Rapaz, quando perguntei se teremos sindicato é porque vejo tempos nebulosos para a categoria nesse sentido. Se já são pouquíssimos os que contribuem, e mesmo estes são mal assistidos, talvez pela numerosa inadimplência, quanto mais agora. E a atual presidente até conseguiu apoio do Seturn pra pintar a sede, deixar bonitinha.

Mas soube que o gesto do deputado carioca do PDT tem surtido efeito. Há uma mobilização crescente nesse sentido. Já que o STF é a última instância e se baseou na Carta Magna para o relatório do processo, a única solução é modificar itens da Constituição para reverter ou alterar o julgamento – coisa que já deveriam ter feito desde a redemocratização, pelo menos!

Agora, brindemos à Globo que orquestrou tudo isso. Falcão, Caio e Júnior podem comentar jogos à vontade agora!

Acredito que música, literatura e esporte são ansiolíticos dos mais eficazes; que está na ralé, nos esquisitos e incompletos a faceta mais interessante da humanidade. [ Ver todos os artigos ]

ao topo