Do terremoto do Japão de magnitude 8.9

Sobre Terremotos

Do terremoto do Japão de magnitude 8.9

Dados do Serviço Geológico dos Estados Unidos ( USGS )

Magnitude 8.9 – NEAR THE EAST COAST OF HONSHU, JAPAN
2011 March 11 05:46:23 UTC

Location 38.322°N, 142.369°E
Depth 24.4 km (15.2 miles) set by location program
Region NEAR THE EAST COAST OF HONSHU, JAPAN
Distances 130 km (80 miles) E of Sendai, Honshu, Japan
178 km (110 miles) E of Yamagata, Honshu, Japan
178 km (110 miles) ENE of Fukushima, Honshu, Japan
373 km (231 miles) NE of TOKYO, Japan

Location Uncertainty horizontal +/- 13.5 km (8.4 miles); depth fixed by location program
Parameters NST=350, Nph=351, Dmin=416.3 km, Rmss=1.46 sec, Gp= 29°,
M-type=”moment” magnitude from initial P wave (tsuboi method) (Mi/Mwp), Version=A
Source USGS NEIC (WDCS-D)

Event ID usc0001xgp

Alguns dados e informações:

1- A palavra sismo, abalo sísmico e terremoto são sinônimos.
2- A magnitude de um terremoto não é a mesma coisa que intensidade.
3- A magnitude de um terremoto mede a energia liberada pelo terremoto e a escala não vai de 0 a 10 como diz alguns jornalistas. A escala é logarítmica e a magnitude pode ser, inclusive, negativa.
4- Os maiores terremotos tiveram magnitudes em torno de 9.0. O terremoto de 8.9 que abalou o Japão e provocou forte Tsunami no dia 11 de março é um dos maiores da história.
5- A principal escala de intensidade (não é magnitude) é a Mercalli-Modificada que vai de I a XII. A intensidade leva em conta os efeitos do terremoto.
6- Um mesmo terremoto pode ter feitos diferentes dependendo da região e construções.
O Japão é uma região situada numa região de borda de placa – tectônica e a região e potencialmente sísmica. As construções são edificadas levando em conta o alto risco sísmico da região. Um terremoto dessa magnitude em uma outra região seria muito mais devastador. O Haiti, por exemplo, é uma região pobre e as casa não foram construídas com os padrões técnicos de uma região sísmica e pode isso o efeito devastador de um terremoto de magnitude 7.0. Esse mesmo terremoto no Japão causaria menores transtornos.
7- Os maiores terremotos do mundo acontecem nas bordas das placas tectônicas. Caso dos Andes, América Central, Japão e costa oeste americana que formam o cinturão de fogo. A teoria da tectônica de placas é uma das maiores teorias científicas do século XX e revolucionou as geociências.
8- Os terremotos de J. Câmara foram ocasionados por uma falha geológica descoberta pelo grupo de Geofísica da UFRN, no qual trabalhei durante uns 20 anos.
9- O hipocentro é o ponto onde ocorre o terremoto que podo está situado até 700 km de profundidade. Já o epicentro é a projeção desse ponto na superfície da Terra. O raio da Terra é da ordem de 6370 Km, no equador.
10- Os terremotos de J. Câmara são superficiais e o tipo de falha transcorrente, e esforços não abrirão o chão.
11- Após os grandes terremotos acontecem as replicas de intensidades menores
12- Sabemos as regiões potencialmente sísmicas do mundo e onde há mais probabilidade de ocorrer o terremoto, mas não conseguimos ainda prever o terremoto.
Esse é o caso do Japão, situado numa região de borda de placa. O Tsunami que surgiu como conseqüência do terremoto pode atingir as ilhas do pacifico e outras regiões costeiras.

Veja aqui o terrível Tsunami que abalou o Japão em 11 de março de 2011

http://www.flixya.com/video/4124530/TSUNAMI-JAPAN-2011

Físico, poeta e professor [ Ver todos os artigos ]

Comentários

Há 3 comentários para esta postagem

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

dois × 2 =

ao topo