Dois dedos de prosa

Por José de Castro *

1.
Solitude das primaveras

Naquela tarde, choveram maridos. E ela pegou logo três: um bom de cama, um bom de papo e outro bom de grana. Vivia feliz com os três, até que uma noite choveram amantes do céu. E cada um dos maridos pegou logo duas. E ela ficou sozinha na noite, esperando novo temporal. Mas houve uma seca de maridos. E ela virou retirante de si mesma.
A meteorologia não confirma, mas parece que numa certa noite, num lugar bem distante, choveram mulheres solitárias. Ela foi um dos primeiros pingos a cair do céu. E, por via das dúvidas, comprou logo um guarda-chuvas. Não queria se arriscar novamente. E se chovessem viúvos? Mulheres solitárias sabem chover poesias. E isso é o bastante para o nascer das estrelas. E também das primaveras.

2.
Um conto de ponto sem fadas

O ônibus parou no ponto. Um bife ao ponto está fora do ponto. Mas o leitor está no ponto de nessa estória embarcar. Quem conta um conto aumenta um ponto. E esse ponto é o que faz o conto jamais acabar. Porque depois de um ponto vem sempre outro ponto. E assim o leitor fica tonto. E o conto não conto porque só sei descontar. Ponto por ponto, costuro e pesponto. Mas dê um desconto para o meu desaponto de não saber costurar. Sei pontuar, apontar, talvez poetar. Aponto para o ponto onde a estrela faz de conta que tem mais de seis pontas. Muitos pontos a brilhar. Mas só sabe quem conta. E, noutro ponto, o sol todo pronto, com certeza, vai despontar. E se desponta não há mais ponto nem ponta. Quem se importa, quem faz conta? Eu faço de conta e ouso inventar. Aí, só resta ao conto acabar, pois o leitor dormiu no ponto e perdeu o ônibus que acabou de passar. Mas, e o bife? Ah, o bife estava mal passado e fora do ponto. Aí, amigo, nada mais te conto. Passemos a outro ponto. Pois há muitos pontos dentro de um conto para que se tenha, apenas, um só jeito de contar. Desculpe-me se o desaponto. Ponto final.

*José de Castro, jornalista, escritor, poeta. Autor de literatura infantil. Membro da SPVA/RN e da UBE/RN. Contato: josedecatro9@gmail.com

Jornalista, escritor e poeta. [ Ver todos os artigos ]

Comentários

Seja o primeiro a comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

ao topo