Dorian Gray Caldas 80

Se sou assim fragilidade efêmera / o que me resta Senhor, senão plantar / estas sementes que Deus abandonou / em minhas mãos (…) DORIAN GRAY CALDAS. “Os Dias Lentos”.

Dorian Gray nasceu em Natal – RN há oito décadas. Escultor, ceramista, tapeceiro, escritor e poeta. Meu amigo. Merece todas as homenagens nos seus 80 anos. Um grande artista e uma grande figura humana de Natal. Um homem que dedicou sua vida às artes. Escreveu o precioso Dicionário dos Artistas Plásticos do Rio Grande do Norte que aguardamos ansiosamente. Uma obra de fôlego e de uma vida. Ninguém viveu e conhece mais a arte do nosso estado que o múltiplo artista Dorian Gray. Irmão da grande artista Zaíra Caldas e pai do poeta Adriano.

Dorian é um artista do seu tempo e tudo foi registrado nas suas telas e aquarelas, São casarões antigos, engenhos de açúcar, camponeses e vilas populares imortalizados na arte desse artista genial. Grandes murais com temas folclóricos podem ser apreciados no Aeroporto Augusto Severo e outros pontos da sua cidade Natal. Suas belas tapeçarias, algumas na UFRN, precisam de restauros imediatos. São famosas suas marinas e telas com temas populares espalhadas por todo o Brasil. Em clínicas médicas, galerias de artes, universidades e coleções particulares.

No quarto centenário do Quixote, Dorian elaborou com muito engenho e arte uma série de telas inspirada no cavaleiro da triste figura e sua amada Dulcinéia. A Exposição aconteceu na Academia Norte-Rio Grandense de Letras.

Como parte das comemorações dos oitenta anos do artista será aberta nessa sexta feira ( 07 de maio) uma exposição na Pinacoteca do Estado do RN com 25 telas da sua coleção particular.

Dorian é um artista completo e não pára de criar e escrever. Tem mais de 10 livros publicados sobre artes plásticas e literatura. Organizou a poesia do poeta Luiz Rabelo que foi publicada em alentado volume. Tem escritos sobre as mitologias em Os Lusíadas de Luis de Camões e muitos outros trabalhos inéditos.

Há dois anos Dorian foi justamente homenageado com o título de Doutor Honoris Causa da UFRN. Faz parte do Conselho Estadual de Cultura e da Academia de Letras do Estado do Rio Grande do Norte.

Oitenta anos semeando a cultura e a beleza. Em 1930 Drummond publicava o seu primeiro livro de poesia. Há oitenta anos não temos uma pedra no caminho das artes potiguares, mas uma grande artista que fez do seu trabalho uma declaração de amor á sua terra, aos seus costumes e tradições imortalizadas nas suas telas, murais e esculturas.

Parabéns meu querido amigo

Físico, poeta e professor [ Ver todos os artigos ]

Comentários

Há 6 comentários para esta postagem

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

13 − 10 =

ao topo