Dos papos furados

Schopenhauer e, salvo engano, Nietzsche também, defendiam a ideia de que só a arte tem o poder da fuga do real. E o real com sentido de dor ou das vontades.

Só pra ilustrar uma horinha de conversa com o poeta, dramaturgo, publicitário e cabra bom, Jairo Lima, em seu sugestivo Papo Furado – agora também cachaçaria.

Correria, dor na garganta e gripe aguda, fome, compromisso. E tudo se apaga com uma conversa descompromissada em uma cadeira de balanço.

E sobre o quê? Arte – aquela coisinha poderosa capaz de lhe transportar para outro mundo: um universo lúdico e excessivamente abstrato.

Literatos locais, o conceito entre popular e erudito, festivais literários, poesia, o regional e o universal (sem o resumo de Tolstoi!), folclore x arte erudita e até das formalidades desnecessárias.

E um pedaço da tarde passou sem que eu escutasse minha barriga roncando ou meu celular tocando. E que felicidade saber que o Mercado de Petrópolis e o comércio do poeta estão crescendo. E o melhor: sem o dedo do poder público. Só com o idealismo.

Acredito que música, literatura e esporte são ansiolíticos dos mais eficazes; que está na ralé, nos esquisitos e incompletos a faceta mais interessante da humanidade. [ Ver todos os artigos ]

Comentários

Seja o primeiro a comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

dezessete − 13 =

ao topo